Cuidar dos dentes deve ser um hábito diário, afinal, além do hálito fresco e do sorriso bonito, muitas condições podem ser evitadas por quem mantém boa higiene bucal. Mas, infelizmente muitas pessoas acabam negligenciando os cuidados com os dentes devido à falta de tempo ou de instrução adequada.

É o caso de Cris, que em razão do inúmeros afazeres domésticos e cuidados com os filhos, acabava deixando sua saúde bucal de lado. Mas, com o tempo, seu organismo foi sentindo essa falta de atenção. As dores de dentes se tornaram mais intensas e sem falar que ela também não tinha segurança para sorrir em público como antes.

Muitas pessoas, infelizmente, seguem o mesmo destino. Mas, cuidar dos dentes é um hábito que deve ser introduzido diariamente em nossas vidas. A tal frase “a saúde começa pela boca” e que muitos costumaram ouvir desde a infância, faz todo o sentido: não é clichê nem algo inventado por dentistas.

Para reverter seu quadro de saúde, Cris resolveu modificar seus hábitos e cuidar melhor dos seus dentes. Acompanhe este post e saiba o que será preciso fazer e quais os benefícios que ela vai adquirir com essa atitude. Confira!

Acessórios e técnicas corretas

É muito importante ter as ferramentas certas para poder fazer um bom trabalho. Ao cuidar dos dentes, é preciso ter uma escova apropriada e que deve ser trocada a cada 3 meses, pasta de dente, fio dental, raspador de língua e enxaguante. Este último não será necessário em todas as limpezas, mas é importante fazer uso ocasionalmente.

Segundo a ADA, Associação Dental Americana, o ideal é que as escovações sejam realizadas 3 vezes ao dia e que cada higienização leve cerca de 2 minutos do seu tempo, o que dará, no final, apenas 6 minutos.

O primeiro a ser usado é o fio dental, que deve ser passado em cada espaço entre os dentes. Em seguida, é a vez do raspador de língua, que retirará o acúmulo de saburra. Na sequência, entra a escovação, que precisa ser feita com atenção. Por fim, após retirar o creme dental com água, vem o enxaguante bucal.

Hábito e disciplina

Alguém que não esteja acostumado com os cuidados no cotidiano, como a Cris, poderá achar difícil se adaptar nos primeiros dias. Contudo, mantendo a disciplina, o comportamento se transforma em hábito e evita algumas adversidades, como:

  • abscesso dentário;
  • perda dentária;
  • mau hálito
  • endocardite bacteriana;

Benefícios de cuidar dos dentes

O ponto que mais pesou na decisão de Cris foi descobrir os vários benefícios de cuidar adequadamente dos dentes. Veja só quais são essas vantagens de ter bons hábitos bucais:

  • redução do mau hálito: as bactérias que se acumulam nos dentes devido à má higiene são responsáveis pelo cheiro desagradável e só procedimentos feitos por um dentista serão capazes de eliminá-las;
  • menos risco de doenças cardíacas: dentes malcuidados influenciam na elevação de problemas no coração. As substâncias inflamatórias migram para a corrente sanguínea, desestabilizam a placa de gordura nas artérias e provocam o infarto;
  • menos dores: alguém que mantém uma boa rotina de limpeza bucal, dificilmente terá problemas com cáries ou gengivites;
  • autoestima elevada: uma pessoa que se sente confortável consigo mesma, apresentará maior sensação de bem-estar e, consequentemente, mais confiança.

Com as instruções corretas, Cris conseguiu cuidar dos dentes de forma adequada, o que trouxe resultados para a sua saúde no geral. Seguindo o exemplo dela, lembre-se: nunca é tarde para se valorizar e passar a ter hábitos mais favoráveis, como o de cuidar dos dentes, e, então, ser feliz de novo.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco e agende a sua avaliação!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

Ninguém gosta de ter os dentes amarelados ou manchados, certo? Um sorriso com essas características afeta diretamente a autoestima, confiança e qualidade de vida de uma pessoa. Além disso, por ser como um cartão de visitas, a aparência dos dentes também interfere nas relações sociais e profissionais. A parte boa é que a odontologia sempre tem uma solução para os problemas bucais . Para ter um sorriso branquinho e bonito, o clareamento dental é a melhor opção.

Esse tratamento, que devolve a cor natural dos seus dentes e mostra como você se preocupa com a própria aparência, está fazendo cada vez mais sucesso nos consultórios de dentista. Com o sorriso do jeitinho que você deseja, fica muito mais fácil sair bem em uma foto, ser mais simpático no dia a dia, conseguir aquele emprego maneiro e até conquistar aquela pessoa que você está a fim.

Está pensando em passar por esse procedimento? Nesse artigo, separamos tudo o que você precisa saber sobre o clareamento dental.

Sem tempo para ler? Clique no player!

Por que os dentes ficam amarelados ou manchados?

A cor dos seus dentes é definida pela dentina, tecido situado logo abaixo do esmalte dentário — a camada mais externa e protetora desta estrutura. Algumas pessoas apresentam a característica de dentes mais amarelados e escurecidos naturalmente.

No entanto, à medida que envelhecem, os dentes sofrem desgastes e ficam mais porosos, o que expõe a dentina a substâncias que a mancham. Entre os principais vilões no escurecimento dos dentes estão alimentos e bebidas com pigmentação mais forte.

Além disso, pessoas que fizeram restaurações com amálgama, substância em desuso nos  consultórios odontológicos, também tem a tendência de apresentar dentes manchados.

Como funciona o clareamento dental?

Como o próprio nome já sugere, o clareamento dental tem a função de clarear os dentes, deixando-os o mais próximo possível de tonalidades variantes do branco.

Atualmente, existem dois métodos de clareamento. Um deles, realizado em consultório, ocorre por meio da aplicação de laser e luz de led. O outro, feito em casa, utiliza peróxido de carbamida e dois moldes construídos conforme a arcada dentária do paciente.

O mecanismo de ação dessa substância envolve a ocorrência de uma reação química, a qual libera água oxigenada, responsável por clarear os dentes.

A ação oxidante dessa substância quebra as moléculas de pigmento da dentina em moléculas menores, o que favorece a reflexão da luz e dá uma aparência de dentes mais claros.

Para cada caso, uma concentração diferente de peróxido de carbamida é utilizada, o que depende da resistência dos dentes, a cor inicial e o objetivo a ser atingido.
Quando os dois métodos são associados, tratamento que passa a ser chamado de conjugado, os resultados podem ser ainda melhores.    

Como é feito o clareamento dental?

Primeiramente, o profissional odontólogo vai fazer uma avaliação dos seus dentes, verificando o tipo, quantidade de manchas e o nível de amarelamento. Nessa etapa, ele vai analisar se o seu caso é possível de ser clareado.

Ademais, antes de começar o tratamento, exames clínicos e radiográficos devem ser realizados para conferir as condições de saúde bucal do paciente, especialmente quanto a questões como infiltrações, cáries e infecções dentárias, que afetam a sensibilidade dos dentes durante e após a aplicação do produto clareador.

O tratamento à laser ou com luz de led, realizado no consultório odontológico, normalmente ocorre em três sessões. O tratamento caseiro, com peróxido de carbamida, depende da prescrição do seu dentista, mas varia entre meia hora por dia até 8 horas diárias durante três semanas.

Para obter bons resultados no método caseiro, é preciso ter muita disciplina e utilizar o molde com o produto clareador todos os dias. Além disso, o acompanhamento profissional durante o tratamento é indispensável para que a técnica aplicada seja correta e todos os cuidados necessários sejam tomados.

Quais são as indicações do clareamento dental?

Se a coloração dos seus dentes causa constrangimentos na sua rotina, abaixa a sua autoestima e interfere na sua qualidade de vida de maneira geral, o clareamento dental é indicado para você.

Procure um dentista e faça uma avaliação para verificar a possibilidade desse tratamento ser bem-sucedido e qual é a técnica mais adequada para remover as manchas ou diminuir o aspecto amarelado dos seus dentes.

Quais são as contraindicações do clareamento dental?

Existem algumas condições que impedem que o clareamento seja feito, é o caso de doença periodontal, sensibilidade dentária acentuada, raízes expostas ou alergia ao produto.

Para os menores de 15 anos, o clareamento também não é indicado. Se estiver grávida ou amamentando, é recomendado que a mulher aguarde o fim desse período para iniciar o tratamento.

Ademais, pessoas que já passaram por muitas restaurações com resina também não tem indicação para fazer o procedimento, visto que esse material não responde à substância clareadora. Por isso, pode resultar em diferenças de colorações no seu sorriso. A solução para esses casos é trocar a resina concomitantemente.

Clareamento dental dura quanto tempo?

Em média, um clareamento dental dura 24 meses, mas pode ter efeito por até 5 anos. No entanto, para que seja duradouro, é preciso tomar alguns cuidados com os alimentos consumidos e com os hábitos de higiene. São essas medidas que impedem que os dentes escureçam novamente e afetem a beleza do seu sorriso.

Conforme esses cuidados, algumas manutenções periódicas precisam ser realizadas. Elas podem acontecer após 6, 12 ou até 24 meses depois do tratamento. Essas manutenções podem ser caseiras, com a aplicação do produto clareador de 2 a 3 noites ou uma sessão no consultório de odontologia.

Caso julgue necessário, o paciente pode fazer sessões completas de clareamento dental mais vezes ao longo da vida, isso porque a dentina, tecido que dá cor aos dentes, é formada continuamente pelo organismo e, quanto mais  espessa, mais amarelada ela fica.

E em relação ao clareamento dental e sensibilidade?

Por ser um tratamento que ataca o esmalte na superfície do dente, abrindo os poros e atuando na dentina — tecido extremamente inervado — a sensibilidade é um sintoma comum após o clareamento.

Ela ocorre especialmente na região próxima da gengiva e da raiz do dente e pode ser leve ou severa, o que varia muito de pessoa para pessoa. 

No tratamento a laser ou com luz de led, a sensibilidade pode ser ainda maior. Isso porque os poros são abertos em uma única sessão, de forma mais agressiva.

Sintomas

Entre os sintomas relatados pelos pacientes com sensibilidade após o clareamento dental está, principalmente, o desconforto ao ingerir algum alimento ou bebida quente ou frio, além dos muito ácidos, como sucos e refrigerantes.

Ademais, também pode ocorrer a sensibilidade ao mastigar ou simplesmente quando o paciente encosta a arcada superior com a inferior. A sensibilidade ao ar também pode acontecer.

Orientações

Existem algumas medidas para reduzir a sensibilidade após o clareamento. Primeiramente, é importante que o profissional seja especializado nesse tipo de tratamento dentário, pois somente assim é possível ter a garantia que o produto clareador será aplicado na dose e do jeito correto.

Pacientes que já tem dentes sensíveis devem avisar o seu dentista antes de iniciar o clareamento para que cuidados sejam tomados e evitem que esse problema fique ainda pior.

Também é possível amenizar esse problema com o uso de produtos específicos que têm concentração mais baixa de peróxido de carbamida e, assim, impedem que os sintomas da sensibilidade de manifestem.

Entre outras opções, existem géis que ajudam a controlar a sensação de sensibilidade, os quais podem ser utilizados no consultório e também em casa. A aplicação de flúor também é recomendada nesses casos.

Mascar chiclete sem açúcar é uma medida diferente, porém muito útil. O ato de mastigar estimula a produção de saliva, líquido protetor dos dentes contra substâncias ácidas e que os deixam sensíveis.

Para quem tem irritação nas gengivas isso pode ser devido moldes mal adaptados ou excesso de produto clareador. Converse com o seu dentista e verifique a possibilidade de fazer um outro suporte e confirme a quantidade necessária de produto que deve ser aplicado diariamente.

Quais alimentos devem ser evitados?

Quando os dentes são clareados, eles permanecem com a porosidade pronunciada por algum tempo. Por esse motivo, alguns pigmentos, especialmente os presentes em bebidas e alimentos, penetram com maior facilidade na dentina.

Assim, é fundamental adaptar a sua dieta e cortar alguns alimentos que podem manchar os seus dentes ou deixando-os amarelados logo após o clareamento. A seguir, separamos, em dois tópicos, os principais alimentos que devem ser evitados. Acompanhe!

Alimentos que mancham os dentes devido à coloração

Alguns alimentos têm entre os seus componentes alguns pigmentos intensos em excesso, o que pode fazer um verdadeiro estrago logo após ter passado por um clareamento.

Por isso, é importante evitá-los para que o seu tratamento não tenha sido realizado em vão e acabe resultando em dentes amarelados ou manchas ainda piores. Conheça quais são eles:

Café

Bebida muito apreciada pelos brasileiros, o café tem um sabor e aroma únicos, além da cor marrom escura. Essa última característica é muito prejudicial para quem acabou de fazer um clareamento dental.

Por isso, é recomendado não tomar café pelo período em que estiver em tratamento. Se essa bebida é seu vício, prefira ingeri-la com leite em vez de puro, pois isso diminui a concentração do pigmento escuro.

Chá

Os chás que tingem a água de uma cor escura fazem a mesma coisa com os seus dentes. Entre eles estão o chá-mate, chá-preto e hibisco. Se você gosta muito dessa bebida, opte por aqueles mais clarinhos, como chá de erva-doce e camomila. Tomar chá com leite também é uma boa forma de evitar que seus dentes fiquem manchados.

Chocolate

A cor marrom intensa do chocolate é devido ao seu principal componente: o cacau. Ao comer um bolo, bombom ou um tablete desse doce, o pigmento entra em contato com os dentes.

Se você é um chocólatra e não cogita a possibilidade de passar um dia sequer sem a sua dose diária de chocolate, não precisa desistir do clareamento por esse motivo! Basta escovar os dentes logo após consumi-lo.

Vinho tinto ou suco de uva integral

A casca da uva, da qual é produzida vinhos e sucos, é extremamente pigmentada em roxo. Quem nunca manchou uma roupa ou a toalha de mesa com uma taça de vinho? A mesma coisa acontece com os seus dentes se você estiver fazendo clareamento. Se consumir essas bebidas, acrescente água para diluir o pigmento.  

Açaí, beterraba, amora e semelhantes

Alimentos roxos devido um pigmento natural e antioxidante, chamado antocianina, fazem muito bem a saúde, no entanto, podem manchar os dentes.

No caso da beterraba, os efeitos maléficos sobre a cor dessas estruturas podem ser ainda piores se for consumida na forma de suco. Quanto ao açaí e a amora, a melhor opção é excluí-los por completo do cardápio.

Refrigerantes coloridos

Refrigerantes de cola, laranja e uva são artificialmente corados com pigmentos sintéticos. Por isso, não é interessante consumi-los durante o clareamento dental.

Molho shoyu

Conhecido na culinária japonesa, o molho shoyu (ou molho de soja) é extremamente pigmentado e escuro. Por isso, se você é fã de sushi e sashimi, pode comer sem medo, mas sem utilizar o molho como complemento — ele realmente pode manchar os seus dentes.

Ketchup e mostarda

O ketchup e a mostarda estão entre os molhos preferidos em todo o mundo para acompanhar um cachorro quente, pizza, pastel, hamburguer e diversos outros lanches.

O primeiro, produzido por meio da concentração de tomates, pode corar os seus dentes em vermelho. Já a mostarda pode deixar os dentes extremamente amarelados. Por isso, evite esses molhos durante o clareamento.

Doces

Quem resiste a uma comida bem açucarada? Balas, chicletes, pirulitos… são tantas as possibilidades que dá até água na boca. Mas, ao contrário da maioria dos problemas bucais, não é o açúcar que prejudica o clareamento.

O grande vilão, nesses casos, é o corante artificial utilizado para colori-los e deixá-los mais atrativos e apetitosos, mas que podem pigmentar os seus dentes. Além disso, por permanecerem muito tempo na sua boca, a chance de manchas é ainda maior.

Quais alimentos mancham os dentes devido à acidez?

Não são apenas os alimentos pigmentados que podem ser prejudiciais para um clareamento dental. Os com excesso de acidez também favorecem o desenvolvimento de manchas e podem estragar o resultado final do procedimento.

Quando a cavidade oral é acidificada, o que ocorre quando esse tipo de alimento é consumido com certa frequência, isso aumenta a capacidade dos dentes em captar pigmentos.

Isso acontece porque a acidez provoca a desmineralização do esmalte, o que danifica essa estrutura protetora e expõe a dentina. Assim, o dente fica sensível e os pigmentos conseguem penetrar muito mais facilmente.

Entre os exemplos de alimentos ácidos estão

refrigerantes, vinagre, frutas cítricas, como kiwi, laranja, limão, tangerina e abacaxi, e bebidas alcoólicas. Vitaminas efervescentes também estão na lista de produtos extremamente ácidos.

Se o paciente em tratamento fizer o consumo de algum desses alimentos e logo após ingerir algo bem pigmentado os riscos são ainda maiores. A saliva, responsável pela ação remineralizadora, devolve aos dentes os minerais perdidos, como cálcio, flúor e fosfato, mas precisa de algum tempo para atuar.

Por isso, nada de tomar café logo após ter consumido suco de limão ou ingerir bebidas alcoólicas, refrigerantes e sucos ácidos muito coloridos e, logo em seguida, ainda comer doces. Assim, você previnirá que os dentes fiquem manchados e acabem com o tratamento realizado.

Quais são os demais cuidados para evitar manchas após o clareamento dental?

Quem faz um clareamento dental deseja que os resultados durem por um longo tempo, certo? Mas, para atingir esse objetivo, existem algumas medidas que precisam ser tomadas.

Higiene bucal

Ter uma rotina de higiene bucal adequada é um ponto de destaque. Escove os seus dentes depois de todas as refeições, após um intervalo de 20 a 30 minutos. Se consumir algum alimento muito pigmentado ou ácido, faça um bochecho com água para retirar os resíduos acumulados.

Se você não cumprir as recomendações, a desmineralização do esmalte pode ser ainda mais acentuada. Isso deixa os dentes extremamente porosos e suscetíveis ao acúmulo de pigmentos provenientes de alimentos, o que tem como consequência o surgimento de manchas.

Ademais, o fio dental é algo fundamental para remover todas as sujidades acumuladas entre os dentes e o seu uso deve se tornar um hábito após passar pelo clareamento.

Outros produtos pigmentados

Não é apenas o que você come que tem substâncias corantes que afetam os seus dentes. Alguns produtos para higiene bucal também são coloridos e mancham essas estruturas.

Mas, qual pasta de dente comprar? Como escolher um enxaguante bucal adequado? Pode ficar tranquilo que o seu dentista vai recomendar os produtos certos, aqueles que são incolores e com flúor — para ajudar a reduzir os sintomas de sensibilidade e auxiliar na remineralização. Além disso, ele também vai orientar as quantidades exatas a serem utilizadas.

Outros produtos que também podem afetar a coloração dos seus dentes são os cosméticos, especialmente os batons bem coloridos e intensos, como o vermelho. Portanto, durante o tratamento, evite passar esse tipo de maquiagem ou opte por cores mais fracas, como nude e rosa claro.

Não fumar

Para os fumantes, trazemos uma má notícia: o cigarro é mais uma das contraindicações durante o período de clareamento dental. Na verdade, o fumo é proibido pois deixa os dentes amarelados como antes ou ainda piores.

Para passar pelo tratamento sem sofrer com a abstinência, você pode utilizar adesivos de nicotina. Ademais, que tal utilizar essa fase para parar definitivamente com esse mau hábito?

Além de beneficiar a estética do seu sorriso, o qual pode ficar amarelado novamente se uso do cigarro continuar, você contribuirá também para a recuperação da sua saúde.

Visitas ao dentista

Após o clareamento, procure fazer visitas periódicas ao seu dentista pelo menos a cada 6 meses. Assim, esse profissional pode fazer uma avaliação da sua saúde bucal e notar possíveis alterações na coloração do seu sorriso.

Dessa forma, ele pode fazer limpezas e polimentos que auxiliam na prevenção e remoção de manchas permanentes. Além disso, recomendações mais específicas para cada tipo de clareamento são passadas pelo seu dentista.

Ao seguir todas essas orientações, evitando alimentos ácidos e muito pigmentados, batons escuros, o hábito de fumar, produtos de higiene bucal coloridos e escovando os dentes corretamente após todas as refeições, o seu clareamento dental vai gerar bons resultados. Além disso, você não vai perder os investimentos realizados nesse tratamento, o que inclui o seu tempo e o dinheiro.

Fazer um clareamento é a melhor opção se você está se sentindo incomodado com a cor amarelada ou com a presença de manchas nos seus dentes. Assim, é possível recuperar a autoestima, caprichar no sorriso e conquistar muitas coisas boas para a sua vida.

Os dois métodos disponíveis, tanto o realizado em consultório odontológico, com a aplicação de laser ou luz de led, quanto o método caseiro, feito com moldes e produto clareador, são procedimentos muito simples e fácil de fazer, indolor e sem complicações muito sérias.

A sensibilidade que pode ser desenvolvida durante e após o tratamento é uma das únicas desvantagens de passar por esse procedimento. Todavia, essa situação pode ser contornada com o uso de produtos específicos, com concentrações mais baixas de peróxido de carbamida e géis que reduzem os sintomas ao comer algum alimento muito quente ou frio.

Quanto aos cuidados necessários ao realizar esse tratamento, é necessário retirar alimentos e bebidas pigmentados ou muito ácidos do cardápio para não manchar os dentes. Além disso, batons escuros e cigarros também podem prejudicar a cor obtida por meio clareamento.

Portanto, siga todas as orientações e tome todos os cuidados com os seus dentes após o clareamento dental. Não se esqueça nunca da importância da limpeza bucal diária e sempre visite o seu dentista. Assim, é possível garantir que o tratamento será bem-sucedido e que seus dentes continuarão branquinhos por muito tempo!

Gostou do nosso post? Quer saber mais sobre clareamento dental? Confira a matéria Clareamento Dental: Guia completo e definitivo.

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

Os dentes inclusos são aqueles que ainda não nasceram na cavidade bucal. Em geral, isso pode acontecer em decorrência de patologias, obstáculos mecânicos, falta de espaço na arcada dentária ou má posição do dente. No caso dos caninos inclusos, é preciso ficar atento, pois causam preocupação, principalmente por causa da mastigação.

Assim, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais para evitar prejuízos à mastigação e estética. Depois dos sisos, os caninos são os segundos na frequência de inclusão óssea. Eles determinam o contorno da boca e promovem a simetria e harmonia da arcada dentária. Por isso, um exame clínico e radiográfico é muito importante.

Neste post, vamos mostrar como o tracionamento pode ser uma solução para os casos de caninos inclusos. Confira!

Como funciona o tracionamento?

O tracionamento de caninos inclusos tem por objetivo recolocá-los na posição certa, o que devolve a função mastigatória apropriada e restabelece a estética do sorriso. Assim, esse tratamento é a melhor opção para promover o nascimento de um dente incluso e a movimentação correta na boca.

No entanto, para que o processo seja efetivo, além do diagnóstico precoce, é necessário que ele seja executado por meio de uma técnica adequada. É essencial que a exata localização do canino incluso seja determinada para que o planejamento correto do procedimento possa ser realizado.

Por meio de exames de imagem, é possível identificar a localização do dente. Após isso, o cirurgião retira o tecido e resíduo ósseo sobre o dente e cola um acessório ortodôntico sobre a coroa do mesmo. Um fio de amarrilho serve de apoio para o tracionamento do dente, posicionando-o na linha de oclusão.

Existem várias maneiras para alinhar e tracionar os caninos inclusos. Algumas delas são os aparelhos ortodônticos removíveis ou fixos e utilização de ancoragem na arcada oposta ou na mesma. O mais importante é a escolha correta do procedimento para cada caso e que o cirurgião tenha domínio da técnica a ser executada.

Como deve ser a escolha do tratamento?

A escolha do tratamento precisa ser baseada em muitos fatores, como os seguintes.

  • grau de cooperação e receptividade ao tratamento;
  • idade da pessoa;
  • relação maxilomandibular;
  • posição do canino incluso;
  • comprimento dos arcos dentais;
  • suspeita de anquilose;
  • posição e estágio da formação do dente;
  • dilaceração;
  • ausência ou presença de espaço;
  • relação com os dentes vizinhos.

Em geral, o problema dos caninos inclusos acomete pessoas mais jovens e as mulheres são as mais afetadas. Os principais sintomas são a permanência dos dentes de leite ou a ausência de dentes.

Além disso, os sinais que devem ser observados no exame clínico são a elevação da mucosa palatina ou labial, retenção prolongada do canino e atraso de erupção após os 14 anos de idade.

Como vimos, os caninos inclusos podem causar muitos problemas, principalmente ligados à mastigação. Sendo assim, é essencial procurar um dentista adequado, que poderá verificar a situação da arcada dentária e indicar o melhor tratamento para você.

Gostou deste conteúdo e quer saber mais? Então confira o nosso Guia para ter um sorriso harmônico!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

A busca pela aparência perfeita é algo constante na vida de muita gente. Quando o assunto é a estética facial, então, ela se torna ainda mais importante. Nesse contexto, um número crescente de pessoas recorrem a procedimentos estéticos. Entre as opções, a cirurgia de bichectomia é uma das que estão mais em alta, especialmente entre os famosos.

Essa cirurgia trata da remoção das bolas de Bichat, uma massa de gordura localizada no rosto, mais especificamente na região das bochechas. Retirá-las é o suficiente para ter como resultado um rosto mais fino, harmônico e com contornos bem definidos.

Quer descobrir como a cirurgia de bichectomia é realizada, quais são os cuidados necessários em todas as suas etapas e os benefícios de optar por esse procedimento? Continue a leitura e confira!

Como é feita a cirurgia de bichectomia?

A bichectomia é um procedimento simples, minimamente invasivo e rápido, com duração que varia de 30 minutos a uma hora. O procedimento é feito sob anestesia local, ou seja, é totalmente indolor.

Nela, uma pequena incisão de 1 a 4 centímetros é feita na região interna das bochechas, por onde as bolas de Bichat são removidas.

Pressionando o lado externo do rosto, o cirurgião faz com que a gordura atravesse o corte e, com a ajuda de uma pinça, retira as bolas por completo.

Por fim, é feita a sutura da região. Se absorvíveis, os pontos não precisam ser removidos, caso sejam do tipo convencional, é preciso retornar ao consultório para removê-los após 7 dias.

Pré-operatório

Antes de passar pela cirurgia, alguns exames devem ser realizados para avaliar como está a sua saúde. Entre eles, glicemia, hemograma e coagulograma.

Nessa etapa, também ocorrem as  explicações do cirurgião quanto à cirurgia e orientações a serem seguidas no período pós-operatório.

Pós-operatório

Apesar de ser considerada uma cirurgia relativamente simples, é preciso ter alguns cuidados no pós-operatório para ter uma recuperação rápida e sem complicações. Entre eles:

  • evite tomar sol até 7 dias depois de realizar a cirurgia;
  • tome todos os medicamentos prescritos, entre eles: analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos;
  • coloque bolsas de gelo sobre as bochechas para evitar inchaços;
  • não coma alimentos duros, cítricos, crocantes e apimentados por 4 dias;
  • prefira bebidas e alimentos gelados — evite os quentes;
  • não pratique exercícios físicos por pelo menos 3 dias.

Mesmo com todos os cuidados, inchaços e hematomas são considerados comuns nos 5 primeiros dias. Portanto, não se assuste caso esses sintomas apareçam — eles são normais.

Riscos

Como todo procedimento, a cirurgia de bichectomia tem os seus riscos. Pode acontecer, por exemplo, algum dano nos nervos da face, dormência no rosto, infecções e resultados inadequados, como excesso de tecido cicatricial, caroços e assimetria.

Para evitar esses problemas, é importante contar com um bom profissional para fazer a cirurgia, como um cirurgião-dentista especializado em bichectomia. Assim, é possível ter a garantia de que o procedimento será realizado de forma segura e de que bons resultados serão atingidos.

Aliás, esse procedimento é irreversível, portanto, certifique-se bem que as condições são ideais antes de ir para a mesa de cirurgia!

Quais são os benefícios dessa cirurgia?

A cirurgia de bichectomia é uma ótima solução para elevar a autoestima. Principalmente de quem se incomoda com o formato do rosto e o excesso de bochechas.

Como vantagens, esse procedimento é muito simples, minimamente invasivo, rápido, indolor e tem um pós-operatório extremamente tranquilo.

Os resultados surgem gradualmente. Dentro de 3 a 6 meses, o seu rosto já estará do formato de você tanto deseja: mais fino e bem delineado.

Gostou de saber mais sobre a cirurgia de bichectomia? Agora, é só procurar uma boa clínica de odontologia e dar o primeiro passo rumo ao aumento da sua autoestima e da sua qualidade de vida!

Que tal começar agora mesmo? Clique no botão abaixo e marque a sua avaliação!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

A infecção da herpes simples pode, muitas vezes, acontecer já na infância, quando a criança tem contato com adultos que tenham o vírus. É possível que ele fique incubado por muitos anos e só se manifeste muito tempo depois, durante alguma crise de estresse, na qual a imunidade do organismo fica baixa. Essa situação costuma trazer constrangimento para o portador, levando à angústia sobre quanto tempo dura a herpes labial.

Isso porque a pessoa costuma apresentar lesões na região da boca, que, dependendo da evolução, transformam-se em feridas e bolhas enormes. Além disso, o vírus causa sensações desagradáveis, como ardor e coceira.

Quer entender um pouco melhor sobre as características da infecção e sobre o tratamento? Então acompanhe a leitura!

Quais as principais características e quanto tempo dura a herpes labial?

A herpes labial é um tipo de infecção causada pelo vírus HSV-1 e se manifesta por meio de feridas e bolhas nos lábios, na língua, na gengiva e no céu da boca, que causam ardência, dor e coceira. O contágio acontece quando o indivíduo entra em contato direto com outras pessoas infectadas, a partir de beijos ou compartilhamento de talheres e copos.

É possível que a pessoa tenha o vírus no organismo e ele nunca se manifeste ou que os sintomas só apareçam muitos anos após o contágio em uma situação em que o indivíduo está com a imunidade baixa. Contudo, algumas pessoas chegam a ter várias crises anuais, demandando cuidados intensos.

Esse microrganismo, quando transmitido, instala-se em alguma terminação nervosa e fica ali adormecido. Na fase de surto, o vírus migra para a epiderme e provoca a ferida. Podemos dividir esse estágio em 5 fases:

  1. prurido: há percepção de coceira e incômodo na região;
  2. bolha: aparece uma pequena bolha que começa a crescer. Ela pode vir individualmente ou em grupo;
  3. secreção: as bolhas estouram e a ferida se expande;
  4. crosta: o local começa a secar;
  5. cicatrização: a casquinha da ferida começa a sair aos poucos.

Esse processo pode durar de 7 a 10 dias.

Quais os tratamentos disponíveis?

A doença não tem cura, mas é possível um tratamento para aliviar os sintomas e a aparência das lesões. Algumas opções são:

  • pomadas locais: elas ajudam a amenizar as sensações ruins e auxiliam na cicatrização;
  • medicamentos antivirais: são comprimidos para combater o vírus que podem ser usados de forma contínua, se a pessoa apresentar diversas crises;
  • compressas antissépticas: diminuem a dor no local e são indicadas de 2 a mais vezes por dia;
  • lisina: é um aminoácido encontrado em carnes, leite, frutas e legumes. Pode ser reforçado por meio da alimentação, mas já existe medicação à base dele.

Quais são os cuidados gerais?

Principalmente para aqueles que apresentam a manifestação dos sintomas de forma recorrente, é necessário aprender a conviver com eles e saber reconhecer quando estão prestes a aparecer. Os cuidados são essenciais para que o tratamento tenha sucesso. Por isso,

  • proteja-se do sol, pois a radiação ultravioleta reduz a imunidade, o que favorece o surgimento da infecção. Evite a exposição prolongada e faça uso de protetor solar;
  • cuide da alimentação, já que o alimento ingerido influencia na imunidade e, quando saudável, fortalece o organismo. Além disso, comidas como chocolate, nozes e frutas cítricas podem estimular o desenvolvimento da herpes por causa de uma substância chamada arginina;
  • tente reduzir o estresse, pois fadiga mental, crises de ansiedade e rotinas desgastantes tendem a diminuir a eficácia do sistema imunológico.

A manifestação do vírus e quanto tempo dura a herpes labial não são uma regra e podem variar de pessoa a pessoa. Se você se identifica com a situação e, principalmente, se ela vier acompanhada de outro incômodo, como dor na gengiva, não deixe de procurar a ajuda de um profissional de confiança para aumentar seu bem-estar e favorecer seu sorriso.

Acompanhe mais informações relevantes para a sua saúde bucal. Curta nossa página do Facebook para ficar mais perto da gente!

“RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747″

Manter um sorriso saudável e bonito é muito importante para o funcionamento correto do corpo e para a autoestima. Afinal, ele faz parte da primeira impressão quando conhecemos alguém. No entanto, muitas pessoas estão insatisfeitas com a aparência dos dentes. Em muitos casos, um problema conhecido como dentes pequenos pode causar constrangimento nos pacientes, uma vez que muitos acabam sentindo vergonha de sorrir.

Esse fenômeno é chamado de sorriso gengival alto, que ocorre quando existe uma exposição exagerada das gengivas acima dos dentes. Assim, é preciso procurar um dentista, pois já existem maneiras de alterar esse quadro, caso seja um incômodo.

Neste post, vamos mostrar quais são os principais tratamentos para dentes pequenos. Confira!

Gengivoplastia

A gengivoplastia é uma cirurgia plástica que ocorre na gengiva e no osso em volta dos dentes. É utilizada para remodelar o tecido gengival em excesso com o objetivo de melhorar a aparência.

Apesar de ser usada na maior parte das vezes para fins estéticos, a cirurgia também pode ajudar a melhorar a saúde da pessoa. Isso porque os pacientes que apresentam esse problema apresentam uma incidência maior de gengivite.

Tratamento de facetas e lentes de contato

As lentes de contato — também conhecidas como facetas de porcelana — são capas que protegem os dentes naturais, o que proporciona um novo design ao sorriso. A diferença entre os dois processos está na espessura e tamanho das peças, além da necessidade de alterar o volume do dente menor ou maior.

Além de utilizar os mesmos materiais, é possível trabalhar todo o desenho do novo sorriso, no qual o dentista desenha no computador como será o formato dos dentes de porcelana junto com a pessoa.

Correção do sorriso gengival alto

O sorriso gengival alto ocorre quando existe uma exposição exagerada da gengiva acima dos dentes. Logo, ao falar ou sorrir, os dentes do paciente parecem pequenos. A gengivoplastia, quando feita por um dentista capacitado, pode resolver o problema, ao retirar o excesso de gengiva.

Nivelamento das bordas gengivais

Muitas vezes o paciente não apresenta um excesso de gengiva em todo o sorriso. Isso pode acontecer em determinados dentes e, com isso, o sorriso pode se tornar menos atrativo. Assim, a gengivoplastia pode nivelar as bordas, o que torna o sorriso mais harmônico.

Aparelhos

O tratamento para dentes pequenos utilizando aparelho dentário pode ser uma opção para aumentar os dentes pequenos. O diagnóstico é capaz de indicar a técnica como a forma mais inteligente e otimizada para corrigir o problema estético devido ao tamanho dos dentes.

Ao contrário do que muitos pensam, o tamanho dos dentes não influencia no tipo de aparelho escolhido no tratamento para dentes pequenos. Ao solucionar o problema, o paciente enxergará os dentes do tamanho correto ao sorrir.

Como vimos, os dentes pequenos podem causar desconforto em muitas pessoas. Por isso, é preciso marcar uma consulta com um dentista capacitado, que poderá indicar o melhor tratamento para o problema. Além disso, durante o tratamento, é essencial evitar alimentos duros e manter uma higiene adequada do local.

Gostou deste conteúdo? Tem alguma dúvida? Quer saber quais são os tratamentos disponibilizados pela nossa clínica? Clique no botão abaixo e agende a sua avaliação. Será um prazer respondê-lo!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

Extrair um dente é sempre a última alternativa em caso de cáries profundas, doença periodontal avançada e fraturas dentárias. No entanto, após serem removidos, a reposição dentária deve ser imediata. Para isso, o implante dentário é uma das melhores opções disponíveis.

Ficar sem um dente é um dos maiores medos de muitas pessoas, principalmente se o espaço vazio estiver em uma posição visível, como na parte da frente da arcada dentária. Assim, a instalação imediata do implante é uma ótima maneira de evitar que você fique sem sorrir.

Quer descobrir mais sobre essa técnica? Nesse post separamos os pontos mais importantes sobre ela. Confira!

O que é o implante com carga imediata?

O implante imediato funciona como qualquer outro: um pino de titânio é instalado no osso e faz o papel de raiz do dente. Após o período de osseointegração, uma prótese dentária é fixada sobre essa estrutura.

O diferencial da técnica é que ela ocorre logo após uma extração dentária. Assim, em apenas uma cirurgia, é possível solucionar o problema dentário já instalar o implante de titânio no alvéolo dentário, diminuindo assim o tempo de tratamento.

Caso o implante instalado tenha um bom travamento no osso, é possível instalar um provisório sobre esse implante, o que configura a técnica de carga imediata.

Quais são os benefícios dessa técnica?

A principal vantagem de realizar o implante dentário logo após a extração é a redução de traumas para o paciente. Com apenas uma cirurgia e pós-operatório, não é necessário esperar a cicatrização após a retirada do dente para colocar o implante, o que acelera todo o tratamento.

Ademais, com essa técnica, é possível evitar a retração gengival, a reabsorção óssea e o desalinhamento da mordida, pois os dentes sofrem movimentações para ocupar o espaço vazio.

Assim, os resultados obtidos com esse tratamento são mais eficientes e atingem os objetivos do paciente. Tanto em relação à parte funcional quanto à estética do seu sorriso.

Qual o prazo entre a extração e a realização do implante?

Assim que um dente for extraído, a inserção do pino de titânio já pode ser realizada na mesma cirurgia. Se você não pôde ou não foi orientado a fazer o implante dentário imediatamente, procure um dentista o quanto antes para que a cirurgia possa ser realizada e evite os danos causados pela falta de um dente.

Quais são os cuidados necessários?

Antes de fazer o implante imediato, você vai passar por algumas etapas clínicas para que o cirurgião-dentista avalie suas condições de saúde geral e bucal. Veja quais são elas.

Anamnese

Ao chegar no consultório, o profissional vai fazer uma avaliação inicial. Essa avaliação envolve o seu histórico de saúde, hábitos de vida, presença de doenças crônicas e medicamentos utilizados.

Essa etapa é muito importante para que o dentista identifique as condições que afetam a cicatrização. Como o tabagismo e doenças sistêmicas, por exemplo. Em alguns casos, esses fatores podem impedir a realização do procedimento.

Radiografia panorâmica ou tomografia

Esses exames são realizados para avaliar a quantidade e a qualidade dos ossos da mandíbula e do maxilar. Nos quais o pino de titânio será instalado. Se a massa óssea não é o suficiente, o cirurgião pode optar por um enxerto ósseo antes de inserir o implante.

Além disso, por meio desses exames, é possível identificar infecções e lesões ósseas, as quais precisam ser tratadas antes de inserir um implante.

E aí, gostou de conhecer mais sobre a inserção de um implante dentário logo após uma extração? Por ser uma das melhores opções, não deixe de optar por essa técnica — você só vai encontrar vantagens!

Ficou curioso e quer descobrir mais sobre os implantes dentários? Leia o nosso artigo e informe-se agora mesmo!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

Só quem convive com a falta de dentes sabe como isso é difícil. Atualmente, o implante é a melhor opção para solucionar esse problema. No entanto, antes de passar pelo procedimento, muitos pacientes têm dúvidas e receios. O principal deles, certamente, envolve a rejeição de implantes dentários.

Em primeiro lugar, é importante destacar que a perda de um implante não ocorre tão facilmente. Para acontecer, uma associação de fatores precisa estar presente. Além disso, a taxa de sucesso da cirurgia é alta — em torno de 98% — o que indica que, com um bom profissional, o seu implante tem tudo para dar certo.

Quer descobrir quais são os riscos de rejeição e fatores que contribuem para essa situação? Continue a leitura e confira!

Riscos de rejeição

A rejeição acontece quando um corpo estranho é identificado pelo sistema imunológico, o qual é ativado e inicia um processo de destruição e expulsão da substância.

No caso do implante dentário, isso não acontece. O pino utilizado como base e que é inserido no osso é produzido em titânio, material inerte e completamente compatível com o organismo.

A rejeição de implante dentário, portanto, envolve outro motivo: a osseointegração. A formação de tecido ósseo ao redor do implante é um processo natural do corpo para regenerar o osso perfurado durante a cirurgia, o qual dura, em média, de 4 a 6 meses.

Quando problemas impedem que essa etapa do tratamento seja concluída com sucesso, a perda do pino instalado pode acontecer. Confira, a seguir, o que pode provocar essa condição.

Problemas que impedem a osseointegração

Quando o pino não se integra ao osso, ele pode cair e, nesse processo, tanto fatores internos como externos contribuem para essa situação. Os principais deles são:

  • diabetes não controlada: essa doença crônica prejudica a cicatrização e, como consequência, provoca problemas na osseointegração;
  • doenças sistêmicas: pessoas que têm lúpus ou qualquer outra doença autoimune apresentam maior chance de infecções, o que afeta todo o processo;
  • tabagismo: fumar diminui a irrigação sanguínea, o que dificulta a formação de osso ao redor do pino de titânio;
  • doenças periodontais: podem gerar infecções e perda óssea e acontecem principalmente devido à falta de higiene bucal;
  • quantidade insuficiente de massa óssea: pessoas nessa situação precisam de enxerto, caso contrário, a rejeição de implantes dentários pode acontecer.

Ademais, em alguns casos, pode ser necessário retirar o pino de titânio. Um exemplo disso é quando ele é instalado em um lugar inadequado, como perto de um nervo, e provoca transtornos ao paciente.

Formas de evitar a rejeição

Para garantir que nenhum problema afetará a sua recuperação e acabe provocando a perda do implante dentário, todo bom cirurgião-dentista pede uma bateria de exames com o objetivo de avaliar sua saúde antes de iniciar esse tratamento.

Entre eles está a radiografia panorâmica ou tomografias, a fim de avaliar a condição óssea do paciente, e exames de sangue, como dosagem de glicose.

Por esse motivo, é muito importante encontrar uma clínica odontológica de confiança e qualidade. Assim, é possível ter a garantia que a rejeição de implantes dentários não vai acontecer com você.

E aí, gostou do nosso post? Que tal descobrir mais sobre os implantes dentários? Leia nosso artigo e conheça mais sobre esse procedimento!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

Uma cirurgia de implante dentário é uma ótima alternativa para pessoas que não têm um ou mais dentes. Todavia, o procedimento não acaba após sair do consultório odontológico. Uma etapa muito importante para o sucesso do tratamento é a manutenção de implantes dentários.

Entre as medidas necessárias de manutenção, estão a higienização correta, os cuidados com a mastigação e, principalmente, as visitas regulares ao seu dentista. Assim, é possível preservar a sua saúde bucal e também a qualidade dos pinos e próteses instalados.

Quer conhecer quais são os principais benefícios de realizar a manutenção dos seus implantes dentários? Confira agora mesmo quais são eles!

Durabilidade do implante

Fazer a manutenção de implantes dentários é o que determina a durabilidade desse tratamento. Nesse sentido, a higienização diária é certamente um ponto de destaque.

Se o paciente realizar a limpeza correta da sua boca diariamente e os implantes dentários forem inspecionados regularmente por um dentista, eles podem durar por muitos anos. Caso contrário, a quantidade de tempo que eles podem permanecer na sua boca de maneira saudável diminui.

Por esse motivo, é fundamental tomar todos os cuidados com a higienização das gengivas, língua, dentes naturais e protéticos.

Estética do implante

Uma das consequências da falta de higiene bucal é o surgimento de placa bacteriana, que afeta a estética do implante.

Por isso, é muito importante retornar ao consultório odontológico periodicamente para que o profissional avalie as condições do seu implante e recomende o tratamento ideal, como uma limpeza ou uso de placas de silicone para o bruxismo. Assim, é possível preservar um visual adequado do seu sorriso.

Prevenção de perda óssea

Uma consequência da placa bacteriana é a periimplantite, doença que causa a inflamação do tecido ao redor do implante e que pode provocar perda de óssea e exposição dos pinos instalados.

Novamente, a higienização volta a ser destaque como fator essencial para a qualidade contínua do seu implante. Em casos em que a placa já se desenvolveu, as visitas ao dentista são a solução para que o tratamento adequado seja aplicado e evite complicações, como a perda do implante e a impossibilidade de reinstalá-lo.

Possibilidade de fratura da prótese

Algumas situações de negligência nos cuidados após realizar um implante podem levar à necessidade de trocar as peças instaladas.

Entre elas, estão a mastigação de alimentos ou objetos muito duros, ou também traumatismos causados por acidentes esportivos, automobilísticos, ou por agressão, que pode causar a fratura da prótese.

Outra causa de fratura de implante são hábitos parafuncionais, tal como o bruxismo, onde o paciente involuntariamente range ou aperta os dentes durante o sono.

Nesses casos, somente o dentista pode identificar os danos e aplicar medidas de prevenção para evitar estragos ainda maiores. Além disso, quando é preciso trocar peças, somente o profissional saberá identificar essa necessidade.

A manutenção de implantes dentários, portanto, é indispensável. Por esse motivo, higienize muito bem a sua boca após passar por esse procedimento e não deixe de se consultar periodicamente com o seu dentista. Dessa forma, você estará garantindo que seus implantes ficarão preservados por muito tempo e que a sua saúde oral ficará sempre em dia.

E aí, gostou do nosso artigo? Agende a sua avaliação!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

A dentadura fixa sobre implantes, também chamada de prótese protocolo sobre implantes, é uma possibilidade para quem sofre com a perda dentária completa e precisa passar por uma reabilitação oral. Esse processo consiste em uma série de tratamentos odontológicos cirúrgicos e protéticos que, quando realizados em conjunto, recuperam a saúde bucal estética e funcional do paciente.

Quer descobrir mais sobre o assunto? Neste artigo, separamos algumas das informações relevantes para você! Acompanhe!

Quais são os principais objetivos da reabilitação oral?

Quando uma pessoa perde todos os seus dentes, passar por um processo de reabilitação oral é fundamental para recuperar o sorriso, a autoestima, o poder de mastigação e a saúde bucal e geral.

Por isso, a instalação de uma dentadura fixa sobre implantes tem como objetivo principal restaurar a qualidade de vida do paciente. Aliás, esse tipo de reabilitação já é uma das áreas que mais cresce no ramo da odontologia.  

Qual é a sua importância?

A reabilitação oral por meio do implante traz de volta ao paciente a possibilidade de sorrir sem restrições, o que consequentemente melhora o seu convívio social e seus relacionamentos.

Além disso, a instalação de uma prótese protocolo, a qual é realizada utilizando técnicas modernas e eficazes para um procedimento de qualidade. Recupera por completo a mastigação do paciente e elimina o desconforto de utilizar uma dentadura móvel.

Que técnicas são utilizadas?

A reabilitação oral com prótese protocolo é a técnica mais recomendada para quem não possui nenhum dente. Antes de realizar esse procedimento, no entanto, é indicado que o paciente passe por tratamentos complementares. Como  extração de dentes infeccionados ou podres que ainda estejam presentes na arcada dentária. 

Por esse motivo, é muito importante que a reabilitação seja planejada com antecedência e por uma equipe odontológica multiprofissional. Além disso, para que você usufrua dos melhores resultados possíveis, é indispensável que o cirurgião-dentista seja especializado em implantodontia. Tenha experiência e seja reconhecido no mercado.

Dentadura fixa

No caso da dentadura fixa, uma prótese é elaborada conforme um molde exato da boca do paciente. Após a instalação de 4 a 8 implantes dentários nas arcadas superior e inferior, a dentadura é fixada, a qual só pode ser removida pelo dentista.

Isso garante a estabilidade necessária para o paciente para suas atividades da rotina, muito semelhante à sensação que ele tinha com os seus dentes naturais.

Quais são as novidades na área de implantes?

A cirurgia guiada é uma técnica menos invasiva e um dos maiores avanços na área da implantodontia. Nela, um planejamento através de tomografia e guias cirúrgicos são utilizado para orientar o cirurgião-dentista. O que faz com que as incisões realizadas na boca do paciente sejam menores.

Isso porque essa tecnologia fornece ao dentista uma visão completa da estrutura anatômica bucal. Assim, esse profissional consegue identificar exatamente quais são os pontos para fixação do implante e da prótese fixa.

A dentadura fixa, portanto, é uma ótima opção para reabilitação oral de um paciente. Se você está nessa situação, não deixe de procurar uma clínica odontológica de confiança para passar por um tratamento completo e de qualidade.

Gostou do nosso post? Então, temos certeza que você vai gostar de ler mais sobre implante dentário em idosos. Vamos lá?

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747