Existe rejeição de implantes dentários?

Só quem convive com a falta de dentes sabe como isso é difícil. Atualmente, o implante é a melhor opção para solucionar esse problema. No entanto, antes de passar pelo procedimento, muitos pacientes têm dúvidas e receios. O principal deles, certamente, envolve a rejeição de implantes dentários.

Em primeiro lugar, é importante destacar que a perda de um implante não ocorre tão facilmente. Para acontecer, uma associação de fatores precisa estar presente. Além disso, a taxa de sucesso da cirurgia é alta — em torno de 98% — o que indica que, com um bom profissional, o seu implante tem tudo para dar certo.

Quer descobrir quais são os riscos de rejeição e fatores que contribuem para essa situação? Continue a leitura e confira!

Riscos de rejeição

A rejeição acontece quando um corpo estranho é identificado pelo sistema imunológico, o qual é ativado e inicia um processo de destruição e expulsão da substância.

No caso do implante dentário, isso não acontece. O pino utilizado como base e que é inserido no osso é produzido em titânio, material inerte e completamente compatível com o organismo.

A rejeição de implante dentário, portanto, envolve outro motivo: a osseointegração. A formação de tecido ósseo ao redor do implante é um processo natural do corpo para regenerar o osso perfurado durante a cirurgia, o qual dura, em média, de 4 a 6 meses.

Quando problemas impedem que essa etapa do tratamento seja concluída com sucesso, a perda do pino instalado pode acontecer. Confira, a seguir, o que pode provocar essa condição.


Problemas que impedem a osseointegração

Quando o pino não se integra ao osso, ele pode cair e, nesse processo, tanto fatores internos como externos contribuem para essa situação. Os principais deles são:

  • diabetes não controlada: essa doença crônica prejudica a cicatrização e, como consequência, provoca problemas na osseointegração;
  • doenças sistêmicas: pessoas que têm lúpus ou qualquer outra doença autoimune apresentam maior chance de infecções, o que afeta todo o processo;
  • tabagismo: fumar diminui a irrigação sanguínea, o que dificulta a formação de osso ao redor do pino de titânio;
  • doenças periodontais: podem gerar infecções e perda óssea e acontecem principalmente devido à falta de higiene bucal;
  • quantidade insuficiente de massa óssea: pessoas nessa situação precisam de enxerto, caso contrário, a rejeição de implantes dentários pode acontecer.

Ademais, em alguns casos, pode ser necessário retirar o pino de titânio. Um exemplo disso é quando ele é instalado em um lugar inadequado, como perto de um nervo, e provoca transtornos ao paciente.

Formas de evitar a rejeição

Para garantir que nenhum problema afetará a sua recuperação e acabe provocando a perda do implante dentário, todo bom cirurgião-dentista pede uma bateria de exames com o objetivo de avaliar sua saúde antes de iniciar esse tratamento.

Entre eles está a radiografia panorâmica ou tomografias, a fim de avaliar a condição óssea do paciente, e exames de sangue, como dosagem de glicose.

Por esse motivo, é muito importante encontrar uma clínica odontológica de confiança e qualidade. Assim, é possível ter a garantia que a rejeição de implantes dentários não vai acontecer com você.

E aí, gostou do nosso post? Que tal descobrir mais sobre os implantes dentários? Leia nosso artigo e conheça mais sobre esse procedimento!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

RECEBA DICAS PARA TER
UM SORRISO SAUDÁVEL