Perda de dentes: tudo que você precisa saber sobre o assunto

A perda de dentes é um problema experimentado por muitas pessoas, independentemente da faixa etária, e pode decorrer de diferentes fatores, de uma infecção dentária a um trauma sofrido durante acidente.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 16 milhões de brasileiros não têm dentes na boca. Além disso, apenas 44%, menos da metade da população, declararam realizar visita anual a dentista para cuidados com a saúde bucal.

Uma arcada dentária saudável e completa é capaz de promover a mastigação ideal, contudo, a perda de dentes pode causar ainda mais problemas ao cotidiano de cada indivíduo. Entre eles, alterações na mordida, mudanças da posição de dentes saudáveis, enfraquecimento da arcada, modificações no modo de falar e baixa autoestima do paciente, especialmente se a perda for visível.

Para entender mais detalhes a respeito desse problema odontológico, continue a ler nosso artigo a seguir.

Quais os principais motivos da perda de dentes

A negligência com a saúde bucal é a principal causa de problemas odontológicos. Não à toa, de acordo com a pesquisa “O que os brasileiros sabem sobre saúde bucal”, somente 35% dos brasileiros trocam suas escovas de dente a cada três meses, conforme recomendado. Menos da metade, 48%, afirma ter o hábito de fazer a limpeza completa: com escova, creme e fio dental, segundo a PNS.

Além da falta de cuidados, todavia, há diferentes quadros capazes de ocasionar perda de dentes.

Uma inflamação na gengiva, por exemplo, pode evoluir para periodontite e gerar um quadro de dor e comprometimento avançado. Responsável por proteger a arcada dentária, a gengiva é utilizada como barreira entre a estrutura óssea e placas bacterianas bucais.

Em uma gengivite, os primeiros sintomas tendem a ser inflamação e sangramento ao escovar os dentes, causados pelas placas. Quando elas se calcificam, formam o tártaro, também conhecido como cálculo salivar. Caso este não seja removido, a doença pode evoluir para uma periodontite.

O que é a periodontite e como ela funciona

Na periodontite, a placa bacteriana se acumula em grandes quantidades e gera recessão das gengivas. Assim, elas se distanciam da estrutura dos dentes e liberam espaço para que mais bactérias se aglomerem e agravem infecções.

Na doença periodontal, os sintomas mais comuns são aftas, formação de tártaro, sangramento e recuo da gengiva, problemas na mordida e abcessos em torno dos dentes, com pus e aspecto inflamado.

A cada vez que comemos e não realizamos a higienização do local após um período de até 12 horas, os alimentos acumulados atraem bactérias e o tártaro passa a se mineralizar. Neste estágio, somente um profissional de odontologia munido de equipamentos adequados é capaz de fazer a remoção completa, em uma raspagem e alisamento radicular.

Nesses procedimentos, os quais podem ser auxiliados por instrumentos de ultrassom, o dentista remove placas e cálculos da superfície dentária, como também da linha subgengival. Se os locais estiverem com muita sensibilidade e o paciente estiver sentindo dor, é possível fazer uso de anestesia local.

Caso o indivíduo não vá ao profissional de sua confiança para realizar a raspagem, a situação se complica. Quando o quadro infeccioso é extremo, inicia-se uma periodontite crônica. Mais comum em pacientes adultos, evolui aos poucos, afeta ossos, tecidos e possibilita que os dentes se soltem, levando à perda dentária especialmente após dano do osso alveolar.  

Fatores de risco para perda de dente

Embora não haja uma idade certa para perda dentária, problemas como gengivite e periodontite passam a ser mais comuns a partir da adolescência.

Somados a eles, há fatores e hábitos de vida capazes de aumentar o risco dessas doenças, como má nutrição e carência de vitaminas, imunidade reduzida (comum em pacientes com AIDS ou câncer, durante tratamento de quimioterapia), alterações hormonais, utilização continuada de medicamentos, problemas dentários estruturais, fumo e consumo abusivo de álcool e drogas ilícitas.

Diabéticos, portadores de síndrome de Down ou doença de Crohn, relacionada ao intestino, também devem ter cuidados intensificados com sua saúde bucal.

No caso dos diabéticos, os hábitos alimentares têm impacto direto sobre a boca. Já pacientes com síndrome de Down podem ter alterações no formato e na ordem de nascimento de seus dentes somados a complicações sistêmicas. Quem tem a doença de Crohn, ao fim, apresenta maior suscetibilidade ao quadro inflamatório a depender de sua rotina de alimentação.


Traumas e acidentes que levam a perda de dentes

Nem todas as causas, entretanto, se limitam a inflamações. Além dos problemas abordados anteriormente, traumas dentários, como batidas e acidentes sofridos, sejam em uma queda ou em situação como uma colisão de carro, podem levar rapidamente à perda dentária.

Quando ocorrem, em decorrência de fratura bucal, as recomendações iniciais envolvem controle de sangramento com gaze higienizado, recolhimento de dente pela coroa e recolocação dele na alvéola para encaminhamento a um consultório odontológico.

Se não for possível colocá-lo novamente, uma forma de conservá-lo é deixá-lo em solução com leite ou soro.

Caso esteja próximo a alguém que passe pelo problema, a indicação é socorrer o indivíduo e encaminhá-lo rapidamente aos cuidados de um cirurgião-dentista a fim de realizar um implante ou interferência de urgência.

Erosão e perda de dentes

Outro antecedente comum é a erosão dentária, que deixa os dentes mais sensíveis, amarelados e com leve transparência nas pontas. Ocasionada por fatores como alimentação muito ácida e problemas no estômago, entre seus sintomas também causa sensibilidade e descoloração dos dentes.

A erosão pode ser considerada intrínseca, cuja relação direta é com problemas médicos, como refluxo e gastrite, ou extrínseca, na qual o principal problema é a ingestão elevada de alimentos que danificam o esmalte dos dentes, como açúcar e refrigerantes.

Atualmente, é comum ainda que seja apresentada por pacientes com transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, cujas práticas de induzir ao vômito ou comer compulsivamente levam a um desgaste dos dentes.

Em casos de mau hálito e gengiva inflamada, independentemente do quadro, é fundamental recorrer rapidamente a um dentista. Os cuidados, afinal, evitam complicações, já que cáries, gengivite, periodontite e erosão dentária podem evoluir a algo muito mais grave.

Agenesia e inexistência de dentes 

Além de pacientes que apresentam ou desenvolvem problemas de saúde bucal durante a vida, há casos de indivíduos que apresentam uma condição dentária específica, de causa genética, conhecida como agenesia.

Nela, o paciente tem ausência congênita de um ou mais dentes, podendo ser unilateral ou bilateral. Para diagnosticá-la, o dentista deve realizar uma radiografia. Normalmente, o exame é feito próximo aos cinco anos de idade. A fim de detectar de forma precoce uma anomalia que pode alterar sua mastigação e outros hábitos relacionados à estrutura bucal.

Em alguns casos, o profissional pode optar por colocar próteses ou implantes. A escolha varia de acordo com a faixa etária e o nível de oclusão apresentado pelo paciente.

O que a perda de dentes pode causar a longo prazo

A perda de dentes permanentes é um problema que não se limita à questão estética. Até mesmo porque nem sempre os dentes perdidos estão localizados nas partes mais visíveis do sorriso do paciente.

Um adulto sadio tem em sua arcada 32 dentes. Quando perde um ou mais deles, pode apresentar problemas digestivos e até mesmo respiratórios. No primeiro caso, a mastigação incompleta, com a ausência de uma estrutura importante, pode levar alimentos maiores ao estômago e tornar sua digestão mais devagar.

As alterações nas formas de mastigar e triturar, ademais, pode afetar a articulação mandibular, tornando os movimentos mais dolorosos.

Tonturas, dores de cabeça e dores de ouvido, frequentemente subnotificados, podem ser causadas por perda dentária, também chamada edentulismo.

Quanto mais tempo o paciente demorar para ir ao consultório de um cirurgião-dentista e procurar o tratamento para seu caso, maior o risco de haver também perda óssea, uma vez que o corpo dá início a um processo de reabsorção da estrutura que suportava o dente perdido.  

A perda de um dente pode causar a perda de outros?

Embora a perda de um dente não necessariamente leve à perda de outro, ela afeta seriamente a saúde da boca e do organismo do indivíduo. Isto porque os dentes vizinhos começam a se mover em direção à lacuna onde não há mais estrutura dentária.

Em pouco tempo, é possível que haja sobrecarga da arcada, já que cada dente executa uma função no processo de mastigação e digestão dos alimentos. Com a capacidade limitada de mastigar, o paciente tende a apresentar carências nutricionais a longo prazo e até problemas como dor na articulação temporomandibular.

Ruídos atípicos ao movimentar a mandíbula, dor de cabeça e problemas no ouvido também têm grandes chances de apresentarem ligação com a perda de dentes.

A avaliação atenta de profissional dentista, com exames clínicos e diagnósticos por imagem é a forma mais segura de detectar o problema.

Em qual idade a perda de dentes pode acontecer?

Durante a infância, a perda de dentes é normal e necessária para que se desenvolva a arcada definitivamente. A mudança, entretanto, é natural do organismo, já que vinte dentes de leite, dez na arcada superior e dez na inferior caem, aos poucos, para darem lugar aos permanentes.

Durante a idade adulta, a perda causada por problemas odontológicos e traumas pode ocorrer em diferentes faixas etárias. É errôneo, por exemplo, afirmar que idosos estão mais propensos a perderem seus dentes. Afinal, cuidados com a saúde da boca e alimentação equilibrada ao longo da vida ajudam a prevenir pacientes da terceira idade de males como esse.

Quais as medidas de prevenção?

Prevenir problemas odontológicos como a perda de dentes não precisa ser uma tarefa difícil. Com bons hábitos de higiene bucal é possível evitar cáries, placas dentárias e inflamações na gengiva.

Escovar os dentes após as refeições, trocar a escova a cada três meses, realizar os movimentos de escovação corretamente e passar o fio dental nos vãos de cada par de dentes podem parecer tarefas cansativas. Mas dão resultados positivos a quem entende que o bem-estar pleno requer uma rotina cuidadosa.

Na alimentação, atenção especial a fontes de vitamina C, como laranja, limão e brócolis, restauradoras da imunidade e cicatrizantes. Além delas, alimentos ricos em cálcio deixam a estrutura óssea mais sadia e podem ser encontrados em muitas opções, tanto animais quanto vegetais. Entre eles, laticínios como queijos e iogurtes, soja e leites vegetais enriquecidos.

Em se tratando de fumantes, ainda que tenham hábitos de cuidados com a boca e com os dentes, são mais propensos a terem problemas. Devido à grande quantidade de substâncias químicas ingeridas derivadas do tabaco. O tabagismo, tem interferência sobre o sistema imunológico e pode dificultar o combate do corpo a bactérias responsáveis por inflamar a gengiva.

Indivíduos que fazem uso de aparelho ortodôntico devem ter cautela especial, enfim, já que o objeto torna mais fácil a formação de placa bacteriana. Hoje, felizmente, o mercado se modificou e oferece como opções escovas interdentais e passa fio, ferramenta que permite que o fio dental seja colocado atrás do fio do aparelho.

O que fazer em caso de já perda de dentes?

Quando o paciente não tem os cuidados com sua saúde bucal, não realiza acompanhamento com dentista ou sofre um acidente em que há um trauma no qual um ou mais dentes são perdidos, deve ser levado até dentista responsável para avaliação de seu quadro clínico.

A escolha de tratamento pode ser modificada de acordo com a perda de cada indivíduo. Antes de fazê-la, é comum que o profissional avalie vantagens e desvantagens de sua alternativa, necessidade de aplicação de enxerto e resultado estético, aliado às expectativas de um sorriso harmônico do paciente.

Para pacientes que perderam um dente

Em situações nas quais a perda se limita a um dente, é possível optar por tratamento com implante dentário, que mantém a estrutura de ossos do paciente e preserva a qualidade de sua mastigação, ou pelo convencional. Neste método, promove-se a reabsorção óssea e desgaste dos dentes próximos para apoio da estrutura de prótese fixa.

Para quem perdeu mais dentes

Quando a perda de dentes fica literalmente no plural, há também o implante dentário e, mais uma vez, o método convencional. Nele, é feita uma prótese parcial removível que necessita do suporte de outros dentes do paciente e pode gerar mais instabilidade.

A sensação pode ser percebida durante a alimentação no dia a dia, especialmente quando envolve itens mais sólidos, como maçã e pão francês. 

A prótese parcial removível, também conhecida como PPR, é uma solução que depende de outros dentes e da região da mucosa oral em que os dentes foram perdidos. Sua aplicação pode modificar o paladar a longo prazo.

Para quem perdeu todos os dentes

Quando o comprometimento dentário é total, o implante dentário consiste, mais uma vez, na preservação da estrutura de ossos e aplicação de prótese fixa ancorada sobre o local.

No tratamento tradicional, a prótese total pode ser removível, a conhecida dentadura, que é apoiada sobre a gengiva do paciente.

Nesses casos extremos, há um trabalho completo do dentista de reeducar o paciente em relação a hábitos alimentares e cuidados diários com a saúde bucal a fim de evitar que volte a ter problemas futuramente.

Para crianças que perdem dentes de leite

A agitação típica da infância pode aumentar o risco de traumas, normalmente em quedas ou acidentes relacionados a brincadeiras de crianças, como pega-pega, esconde-esconde e corrida.

Seja pedalando de bicicleta, brincando de patins ou praticando esportes em grupo, é comum que aconteça. Nesses casos, se o dente perdido for de leite, é fundamental lavá-lo e imediatamente colocá-lo na boca do paciente novamente, a fim de que a saliva mantenha sua hidratação.

Após essa medida, quanto mais rapidamente for levado para avaliação de um profissional, melhor. Em consultório, o dentista poderá recolocar a estrutura no lugar como forma de permitir a regeneração das fibras de sustentação.

Um procedimento bem-sucedido permite que a troca para o dente permanente seja realizada sem entraves, como a dos outros até que sua arcada definitiva esteja formada.

Como funciona o implante dentário e quais são suas vantagens?

Em um implante dentário, pinos ou estruturas formadas a partir de metal, como titânio, são aplicados sobre os ossos da boca para efetuarem a substituição da raiz dentária.

Somente quando o implante se integra ao osso o cirurgião-dentista aplica a prótese, comumente fabricada de resina acrílica ou porcelana. O procedimento, assim, tem a capacidade de reproduzir com fidelidade um dente comum, capaz de reproduzir formato e cor dos demais.

Quando a quantidade de ossos do indivíduo é insuficiente, pode-se recorrer ao enxerto ósseo. Independentemente das circunstâncias, todavia, é necessário que haja avaliação odontológica criteriosa, na qual se incluem exames clínicos, laboratoriais, tomografia e radiografias.

Somente assim, o dentista pode definir se é a opção ideal para o caso do paciente. Com excelentes resultados, o tratamento apresenta baixíssima rejeição e evita a perda de mastigação e paladar.

Ao considerar suas desvantagens em relação a outras próteses, o principal empecilho pode ser o custo do implante dentário. Este, todavia, pode ser pesquisado com a função de obter boas condições de pagamento com um profissional confiável.

Até que idade é possível fazer implante dentário?

Quando o paciente apresenta boas condições de saúde, não há empecilhos de idade para realização do procedimento. Muito pelo contrário: o implante dentário em idosos tem se destacado como ótima alternativa a dentaduras e a chapas.

As condições que requerem avaliação mais criteriosa do dentista são as de idosos com anemia, pacientes com problemas cardíacos, diabéticos que não realizam controle ou indivíduos com osteoporose em estágio avançado.

Caso o profissional faça o diagnóstico de que é possível realizar o implante dentário, optar por  ele torna a mastigação e aparência mais naturais, permitindo renovação de confiança e autoestima dos pacientes.

Como funciona a prótese fixa e quais são suas vantagens?

Diferentemente do implante dentário, a prótese fixa não envolve um procedimento cirúrgico, o que a torna um tratamento indolor e mais rápido para o paciente, sem a necessidade de preparação nem tampouco cuidados pós-operatórios.

Ademais, a prótese fixa é mais acessível financeiramente. Em se tratando de desvantagem, pode-se mencionar o fato de que o dentista precisa desgastar mais dentes saudáveis para fixá-la no corpo do paciente, o que não é desejável para muitas pessoas.

Como funciona a prótese removível e quais são suas vantagens?

Também conhecida como dentadura ou ponte móvel, a prótese removível é considerada mais desatualizada pelos profissionais de odontologia e dá ao paciente a possibilidade de removê-la para higienização.

Sua vantagem, como no caso da prótese fixa, é o valor mais baixo. A remoção e a necessidade de limpeza, contudo, requerem do paciente cuidado redobrado para evitar novas infecções.

Qual é o melhor tratamento para perda de dentes?

Em relação ao tratamento, não há consenso, já que cada paciente apresenta um perfil de saúde e hábitos de vida que podem influenciar diretamente a escolha do dentista. A resposta só poderá ser obtida após realização de exames clínicos, laboratoriais, tomografias e radiografias conclusivas.

Além disso, o cirurgião-dentista poderá conversar com o paciente para conhecer suas preferências e saber se alguma condição específica de saúde vai impactar a decisão.

Em se tratando de inovação e tecnologia odontológica, ainda assim, o implante dentário representa o método de tratamento mais completo.

Como envolve a aplicação de uma nova estrutura de metal e a necessidade de integração óssea, é um procedimento mais longo, de complexidade superior, mas segurança de restituição de dente, tranquilidade e autoestima a longo prazo, com os cuidados posteriores necessários.

Ao fim, embora seja um problema de saúde que influencia diretamente hábitos alimentares e bem-estar do paciente, a perda de dentes pode ser solucionada com um tratamento que respeite limitações e características de cada indivíduo. O diálogo com um profissional competente e confiável é capaz de auxiliar na decisão.

Quer entender mais sobre o tema e métodos de tratamento de perda de dentes? Então não perca tempo e confira nosso Guia completo sobre Implante Dentário!

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747

RECEBA DICAS PARA TER
UM SORRISO SAUDÁVEL