Dentes do siso: tudo que você precisa saber sobre eles

Ao se deparar com uma dor no dente, que atrapalha em muito o seu dia a dia, você pode pensar que é apenas uma gengivite ou dente cariado, algo fácil de se resolver recorrendo a um dentista. Todavia, consultando seu odontólogo, logo descobre que o que está acontecendo dentro da sua boca é o nascimento do seu siso. E agora, o que são os dentes do siso? O que é necessário fazer? Isso será fácil de resolver como os outros problemas de saúde bucal?

Se você tem muitas dúvidas, não se desespere! Para saber tudo sobre os dentes do siso, acompanhe os próximos tópicos. Vamos te explicar tudo sobre eles a seguir!

O que são os dentes do siso?

Os dentes do siso fazem parte do trio de molares, sendo esses quatro dentes os terceiros molares, que ficam posicionados na região mais posterior da arcada dentária. Eles costumam nascer apenas quando uma pessoa está entrando na idade adulta, ou seja, dos 17 aos 21 anos, mas esses dentes podem irromper também antes ou depois desse período.

Assim como os outros dois molares, o dente do siso participa da parte final da mastigação dos alimentos. Entretanto, devido à presença desses outros dentes para desempenhar essa função, o terceiro molar acaba tornando-se desnecessário.

Um exemplo disso é que, atualmente, diversas pessoas já nascem sem a presença do dente, ou seja, elas não têm o siso incluso, retido no osso abaixo da gengiva, e nunca passarão pelo processo de seu nascimento. Muitos pesquisadores afirmam que essa modificação no ser humano faz parte da evolução da espécie.

No passado, o siso era um dente indispensável, pois era muito comum os adultos perderem seus dentes molares que nasceram na infância por causa de cáries e placas bacterianas, pela falta de higienização e produtos adequados e ausência de cuidados com a saúde bucal.

Além disso, muitas outras pessoas acabam por ter seus dentes do siso retirados sem prejuízo algum à mastigação, por diversos motivos que serão citados no decorrer do artigo.

Quais são os sinais de nascimento?

Entre os sinais de que o seu siso está nascendo, os principais são dor, inflamação, inchaço e, em alguns casos, até infecções na gengiva, chamadas de pericoronarite, ou ainda infecções nos ossos da face, que pode causar perda óssea e dos tecidos que sustentam os dentes.

Se o seu terceiro molar está nascendo em uma posição correta, que é na vertical, ou seja, completamente alinhado, e sua arcada dentária tem espaço suficiente para abrigar o novo dente que está a nascer, provavelmente você sentirá apenas um pouco de inflamação e dor.

Entretanto, se o seu siso está nascendo na horizontal, na diagonal ou até invertido e, além disso, você não tem espaço adequado na arcada para o dente se acomodar, o seu caso é mais complicado.

Isso porque, ao tentar nascer, o siso causará diversos problemas na sua boca, entre eles, as já citadas infecções, que provocam dores severas; movimentação dos dentes, que pode entortá-los e empilhá-los; e até reabsorção da raiz do dente vizinho, o segundo molar, caso não consiga irromper.

Entre os sintomas mais severos estão também:

  • dores de garganta, se a infecção atingir tecidos mais internos da face, o que exige tratamento com antibióticos;
  • febre, que é uma resposta do organismo frente à infecção, que pode deixar a pessoa com um mal-estar muito grande, o que prejudica sua rotina e responsabilidades;
  • dores de cabeça, pois o siso pode estar movimentando os outros dentes, o que afeta a fala e a mastigação e, assim, devido aos músculos e articulações da cabeça serem os mesmos da face, as dores serão sentidas.

O uso de analgésicos, anti-inflamatórios e antipiréticos pode ser muito útil no combate desses sintomas. Todavia, a consulta com um dentista de confiança é a medida mais adequada a ser tomada, pois ele está apto a resolver a causa de todos esses sintomas que, na maioria das vezes, se resolve por meio da extração do siso.

Inclusive, esse profissional prescreverá os antibióticos, os quais não podem ser comprados sem receita e são fundamentais para acabar com a infecção. Ademais, o dentista também poderá cuidar da sua estética se o alinhamento dos seus dentes e a mordida já estiverem afetados, sugerindo a utilização de um aparelho ortodôntico, por exemplo. Assim, você terá garantia de saúde bucal, beleza e qualidade de vida.

Se você está sofrendo com esses sintomas, provavelmente seu siso está nascendo. Então, procure logo um odontólogo de confiança para evitar que os sintomas se agravem. Esse é o profissional adequado para fazer uma avaliação rigorosa do seu caso e, assim, definir a melhor conduta a se seguir.

Todo mundo precisa tirar o siso?

Apesar de terem uma função substituível, os dentes do siso não precisam ser extraídos em todos os casos. Se o seu siso tem espaço para nascer na sua arcada dentária e está fazendo isso em posição correta, sem causar problemas nem interferir nos dentes vizinhos, ele possivelmente passará o resto da vida dentro da sua boca.

Entretanto, mesmo tendo nascido corretamente e sem causar problemas, por que extrair é muitas vezes uma opção? É por que, após irromper, os dentes do siso podem ainda trazer incômodos. Isso ocorre devido à sua localização, pois sendo o dente mais ao fundo na boca, a higienização dele se torna uma tarefa árdua e, muitas vezes, não cumprida.

Assim, muitos resíduos de alimentos vão se acumulando na região, o que provoca a proliferação de bactérias, que causam cáries, mau hálito e desconforto ao paciente. Por esse motivo, nesses casos, a extração de siso é uma alternativa.

No entanto, se os seus dentes do siso estão deitados ou inclinados, com todos os indícios que podem causar danos a sua saúde bucal e geral ainda antes de nascerem, a extração dos sisos será a solução. Tendo isso em vista, é muito importante se consultar regularmente com o seu cirurgião-dentista para que ele acompanhe o seu caso.

A partir da adolescência, que é quando o siso pode começar o processo de nascimento, o dentista pedirá exames como documentação ortodôntica, para saber o espaço disponível na sua arcada e se ele será suficiente para acomodar o siso, e radiografia panorâmica, para saber qual a posição exata do seu terceiro molar e o estágio de formação de sua raiz.

Fazendo uma avaliação completa do seu caso, o cirurgião-dentista vai definir se a melhor opção é retirar o seu siso ou não. Sobre quando tirar o terceiro molar, a melhor idade para realizar a cirurgia é antes dos 20 anos de idade, porque é nessa idade em que a raiz ainda está parcialmente formada e os tecidos são mais maleáveis, o que facilita a retirada do dente.

Além disso, a cicatrização dos tecidos ocorre muito mais rapidamente do que na idade adulta, sendo que, depois dos 30, o dente já pode até ter calcificado no osso, o que torna a retirada do siso um procedimento muito mais complicado.


Como é feita a cirurgia de extração do siso?

A cirurgia é um procedimento simples, apesar de frequentemente provocar muito medo a quem necessita fazer a extração de siso. Então, não fique apavorado! Depois de fazer os exames necessários que, na maioria das vezes, é a radiografia panorâmica, seu dentista saberá melhor como está a posição dos seus dentes do siso e também a estratégia ideal para retirá-lo.

No dia anterior da extração, é necessário tomar alguns medicamentos, como antibióticos e anti-inflamatórios, para evitar possíveis complicações. Esse tratamento continuará por alguns dias após a realização do procedimento e é fundamental realizá-lo por completo, seguindo as recomendações do seu dentista.

No dia da cirurgia, procure fazer uma alimentação leve, não fume nem faça o consumo de bebidas alcoólicas, e realize uma higienização adequada na sua boca antes de ir para o consultório.

O primeiro passo da cirurgia é a aplicação da anestesia. Essa anestesia é local, ou seja, ela não vai tirar a sua consciência, mas bloqueará a sensibilidade no local por algumas horas, não permitindo que você sinta dor alguma no decorrer da extração.

Os anestésicos mais utilizados na extração costumam ser a articaína ou bupivacaína, sendo que as injeções são aplicadas na gengiva, tanto no lado interno quanto externo. Nos sisos superiores, a anestesia é aplicada também no céu da boca, ao redor dos dentes. Nos inferiores, o nervo lingual — ao fundo da boca — também é anestesiado antes do procedimento.

O dentista pode optar ainda por utilizar uma pomada anestésica antes de injetar a anestesia local, para evitar a dor da picada da agulha. Em alguns casos mais sérios de retirada do siso, pode ser necessário a aplicação de anestesia geral, procedimento que será realizado então em um hospital para maior segurança.

A retirada do siso propriamente dita pode ser realizada por duas técnicas. Na primeira, em que o dente do siso já irrompeu, a extração é igual à retirada de outros dentes.

Na segunda, em casos em que o dente do siso ainda não nasceu, é necessário fazer uma incisão na gengiva, expondo a camada óssea que recobre o dente. Essa camada deverá ser parcialmente removida por meio de dissecção óssea, procedimento chamado de osteotomia, o qual permitirá ter acesso ao siso para a sua retirada.

No procedimento, diversos instrumentos são utilizados, estando entre eles uma alavanca, que amolecerá o dente, e o fórceps dentário, um instrumento que abraçará a coroa do siso para poder puxá-lo e removê-lo.

O dente pode ainda passar por uma odontosecção, ou seja, ser partido em diversos pedaços menores antes da sua retirada, para evitar que mais osso tenha que ser desgastado e que a extração seja realizada por completo.

Sobre o tempo da cirurgia, ela pode variar de 5 a 30 minutos por dente extraído, dependendo da complicação de cada caso. A quantidade de sisos que serão retirados é uma escolha que deve ser tomada com seu cirurgião, o qual avaliará a facilidade em retirar tais dentes e também a probabilidade de complicações, assim como a recuperação do paciente.

Após a extração, o dentista fará alguns pontos — de dois a três — com fios de algodão ou nylon, para fechar o espaço vazio deixado pelo dente, assim como as incisões realizadas. Após completar uma semana da extração, é necessário retornar ao consultório para que os pontos sejam removidos pelo profissional.

Agora que você já sabe como é feita a extração, pôde observar que o procedimento é simples e, além disso, tem um baixo índice de complicações. Assim, não fique desesperado se o seu dentista constatar a necessidade de retirar seus terceiros molares.

Nas mãos de um profissional de confiança, você estará seguro e, com certeza, a cirurgia será realizada com responsabilidade, gerando resultados satisfatórios para a sua saúde bucal e geral.

Quais são os cuidados pós-cirúrgicos?

Se você passou pelo procedimento de extração dos dentes do siso, existem alguns cuidados após a cirurgia que são necessários para evitar complicações. Assim, seu dentista vai fazer recomendações importantes, as quais devem ser seguidas fielmente. Confira a seguir quais são elas:

Alimentação

A primeira delas é apenas ingerir alimentos frios ou gelados, para que sangramentos e até hemorragias sejam evitadas. Além disso, os alimentos devem ter consistência líquida e pastosa, para que esforços não sejam necessários durante a mastigação.

Isso acabaria machucando o local onde a cirurgia foi realizada e onde se encontram os pontos, sendo que esses poderiam até romper, complicando o fechamento da ferida. Seguir essa recomendação é, portanto, fundamental para uma boa recuperação. Entre os principais exemplos de alimentos adequados para consumir nesse período estão: sorvetes, iogurtes, gelatinas, sopas frias (podendo ser batidas em liquidificador), e sucos naturais.

É importante evitar comer apenas alimentos açucarados e pouco nutritivos, pois muito açúcar pode aumentar o risco de cáries. Além disso, uma alimentação equilibrada é indispensável para uma recuperação satisfatória. Outro ponto fundamental é não se esquecer da hidratação, pois beber água é muito importante para manter uma boa saúde.

Repouso

O repouso após a cirurgia também é indicado, pois esforços não fazem bem para a recuperação. Até a fala deve ser evitada, porque a movimentação da boca pode aumentar a dor. Além disso, evite a exposição ao sol e banhos muito quentes. Já os exercícios físicos devem ser suspensos por no mínimo cinco dias.

Compressas de gelo

Com uma bolsa de gel ou improvisando com um saco plástico, faça compressas de gelo, sem esquecer de colocar um pano ou toalha para evitar queimaduras na pele das bochechas. As compressas devem ser realizadas nas primeiras 24 horas após a cirurgia, aplicando-as por 20 minutos no local, fazendo pausas no mesmo período de tempo, para evitar inchaços.

Cuidados para evitar sangramentos

Um outro ponto muito importante a ser seguido no pós-operatório é utilizar uma gaze entre os dentes, no local onde a cirurgia foi realizada, pressionando levemente com a mordida, para evitar sangramentos. Inclusive, você deve evitar passar o dedo, a língua e outros objetos no local da cirurgia, o que dificulta a cicatrização e pode provocar sangramentos.

Uma pequena perda sanguínea na região no primeiro dia pós-cirurgia é normal, e o paciente pode sentir o gosto de sangue na boca, o que, à noite, pode manchar a roupa de cama. Entretanto, se os sangramentos estiverem muito intensos, procure o seu dentista imediatamente.

Higienização adequada

A higienização correta da boca é um fator indispensável, pois isso evita o acúmulo de resíduos de alimentos e o surgimento de placas bacterianas e cáries. Assim, escove os dentes com uma escova macia, para não ferir o local da cirurgia. A quantidade de pasta de dente deve ser reduzida, para evitar ardência. Utilize ainda o fio dental e um antisséptico sem álcool, para finalizar a limpeza e evitar infecções.

Medicamentos

Os medicamentos receitados devem ser tomados até o fim do tratamento, para evitar complicações como infecções, inflamações e também a dor. Aliás, tomar analgésicos logo após a cirurgia é fundamental para evitar dores intensas ao fim da anestesia. No entanto, não exagere nos medicamentos e tome-os sempre conforme a prescrição pois, em excesso, podem trazer danos e efeitos adversos.

Consumo de álcool e cigarro

Por último, o consumo de bebidas alcoólicas deve ser evitado, visto que você estará tomando antibióticos e o álcool interfere nesse tratamento. Outro ponto é evitar o fumo nesse período, pois, com uma ferida na boca em cicatrização, as substâncias tóxicas do cigarro penetrariam nela, aumentando o risco de infecções e inflamação.

Apesar do pós-operatório ser um pouco dolorido, ele costuma durar apenas de três a quatro dias. Além disso, você passará todo esse período em casa, pois, logo ao fim da cirurgia, receberá alta, sem necessidade de internamento. Então, seja paciente, siga corretamente as orientações passadas pelo profissional e, assim, a recuperação será completa e você estará livre de problemas e complicações.

Quais são as principais curiosidades sobre o siso?

O siso contém células-tronco?

Uma curiosidade muito interessante sobre os dentes do siso é que eles podem conter células-tronco. Essas células são multipotentes, ou seja, em laboratório, podem se transformar em diversas células e gerar tecidos, sendo muito úteis em diversos tratamentos de saúde.

Com isso, há a possibilidade de o paciente que extraiu seus sisos guardar suas células-tronco. Uma clínica responsável por conservar essas células deverá cuidar do material imediatamente após a extração do dente, pois ele é muito delicado e necessita de cuidados rápidos para se manter preservado.

Após colhidas do terceiro molar e avaliadas por um profissional especializado, a conservação das células-tronco se dará por meio de criopreservação, ou seja, em temperaturas muito baixas, utilizando nitrogênio líquido.

Por que ele é chamado de dente do juízo?

Uma curiosidade sobre o apelido “dente do juízo” é que ele vem do fato desses dentes nascerem somente quando as pessoas estão se tornando adultas, em vez de irromper na infância, como todos os outros dentes. Como o avanço da idade exige maiores responsabilidades de uma pessoa, isso acabou por associar o momento de nascimento do siso com o desenvolvimento de juízo, gerando o famoso apelido.

Um erro na extração pode provocar paralisia permanente?

Outra informação é que muitas pessoas têm medo de realizar a cirurgia de extração dos dentes do siso devido à probabilidade de erro na cirurgia, atingindo algum nervo, o que provocaria paralisia e perda de sensibilidade permanentes na boca.

A possibilidade de provocar paralisia não é verdadeira, no entanto, se o nervo alveolar inferior for atingido no procedimento, a sensibilidade de regiões da língua e do queixo poderão ser perdidas, o que é chamado de parestesia, e seria uma situação muito desagradável ao paciente.

Essa parestesia pode durar de semanas ou até meses. O uso de medicamentos e tratamentos como aplicação de infravermelho e laser na região afetada podem acelerar a recuperação da sensibilidade.

O segredo para realizar uma boa cirurgia é escolher um bom cirurgião-dentista ou cirurgião buco-maxilo-facial, que são os profissionais aptos a realizar a extração de siso. Procure saber sobre a formação acadêmica e qualificações do profissional e, além disso, busque indicações positivas com pessoas que já são pacientes e realizaram a cirurgia com ele.

Observe também, na primeira consulta, se o profissional vai pedir os exames adequados para avaliar corretamente o seu caso. Assim, você terá a garantia de que vai passar pelo procedimento de extração do siso em segurança, atingindo os resultados esperados e sem complicações.

Ao remover um siso, é preciso remover todos?

Mais uma informação muito difundida entre as pessoas é que, se alguém retirar um dos seus sisos, todos necessitam ser extraídos. Isso é um mito, entretanto, ao tirar o siso superior direito, é indicado que o inferior direito também seja retirado, por exemplo. O motivo dessa extração é que o dente antagonista remanescente — o inferior direito nesse exemplo — machucaria a gengiva superior se permanecesse na boca.

A falta de higienização pode levar à realização de outro procedimento cirúrgico?

Mais uma curiosidade é que você pode passar por outro procedimento cirúrgico, em vez da extração de siso. Se ele já tiver nascido em posição correta, mas a limpeza não está sendo realizada de forma adequada, o dentista poderá optar por fazer uma ulectomia.

Esse procedimento é uma cirurgia de remoção de excesso de gengiva ao redor dos dentes, a qual pode acumular restos alimentares que aumentarão o risco de placa bacteriana e cáries, sendo que a sua remoção ajudaria na higienização do local.

Ao irromperem, os dentes do siso são, muitas vezes, a causa de muito incômodo ao paciente, problema que deve ser resolvido o mais rápido possível por um dentista de confiança. Se seu siso já nasceu sem causar danos, tome todos os cuidados necessários com a sua higienização!

Escove bem os dentes e passe o fio dental sempre, pois essa atitude evita a placa bacteriana e as cáries que, com o passar do tempo, podem causar muita dor e até a necessidade de extração de siso tardiamente.

Mas não se preocupe! A retirada dos dentes do siso é um procedimento de baixo risco e indolor, sendo que você deve seguir todas as orientações recomendadas no pós-operatório para ficar bem e recuperado rapidamente. Cuidando bem do seu terceiro molar, você garantirá uma saúde bucal e geral adequadas, além de ter a certeza de uma estética agradável e que lhe proporcionará qualidade de vida.

Agora que você já sabe tudo sobre o dente do siso, assine nossa newsletter para se manter sempre atualizado! O que acha da ideia?

RECEBA DICAS PARA TER
UM SORRISO SAUDÁVEL