Como é definido o preço do implante dentário?

Ter o sorriso bonito é um fator indispensável para a autoestima, o que significa que a perda dos dentes pode afetar a vida de uma pessoa de maneira definitiva. Com o avanço da tecnologia, os recursos para recuperar a estética da arcada dentária estão cada vez mais avançados, e os implantes dentários estão incluídos nessa categoria.

Mas quanto você pagaria para recuperar o seu sorriso? O preço do implante dentário está cada vez mais acessível e, provavelmente, cabe no seu orçamento.

Reconstituir uma arcada dentária incompleta vai muito além da estética e autoestima desencadeada por um sorriso harmonioso. Os dentes são fundamentais para que a mastigação ideal dos alimentos seja realizada, o que interfere diretamente no bom funcionamento do sistema digestivo.

Além disso, essas estruturas influenciam na fala, porque auxiliam os movimentos da boca e da língua para que os sons sejam gerados, e são importantes também para a correta abertura e fechamento da boca, que contam com a ajuda do encaixe perfeito das arcadas superior e inferior para a execução do movimento.

Assim, fazer um bom tratamento para recolocar os dentes que estão em falta é uma maneira de garantir a sua saúde bucal e geral, já que a autoestima desencadeada está relacionada com a forma como você convive com outras pessoas.

Está pensando em fazer um implante dentário mas ainda tem muitas dúvidas sobre detalhes do procedimento, principalmente sobre quanto custa um implante dentário  e o que afeta o seu preço?

Neste artigo, reunimos essas e outras informações importantes sobre os implantes, como o passo a passo, cuidados necessários e diversos outros pontos que precisam ser esclarecidos antes de passar por esse tratamento.

Para que serve o implante dentário?

Fazer um implante dentário é a melhor forma de substituir um dente, independentemente de ele ainda estar presente na boca, precisando ser extraído para isso ou se já  foi perdido em outras situações.

Ademais, esse tratamento é também uma ótima opção para substituir toda a arcada, quando no passado a única alternativa para essas pessoas era o uso de próteses móveis, as famosas dentaduras.

A cirurgia para a inserção do implante é fundamental quando os dentes naturais de uma pessoa estão podres, com as raízes prejudicadas, quando eles estão amolecidos e prestes a cair ou até mesmo quando já caíram há algum tempo.

Entre os pacientes que têm indicação para a cirurgia estão os que se encontram nas seguintes situações:

  • os que têm dentes com danos estéticos, como manchas escuras;
  • pacientes que apresentam problemas de mastigação;
  • quem possui dentes com raízes acometidas por doenças bucais, como as cáries em estágio avançado ou periodontite;
  • aqueles que já perderam seus dentes e utilizam outro método de substituição, como dentadura ou ponte;
  • quem precisa da correção de dentes posicionados de maneira inadequada.

Como visto, todos estão sujeitos a desenvolver condições que necessitam de um implante, seja por doenças bucais, seja pela higienização insuficiente de toda a cavidade oral, por acidentes que podem danificar a raiz, como uma queda ou outra situação de alto impacto, e até fatores genéticos que afetam o posicionamento dos dentes.

Nesses casos, o implante é a solução que oferece maior segurança e eficiência para que a saúde bucal do paciente seja recuperada.

O procedimento é a instalação de pinos cilíndricos de titânio na estrutura óssea, logo abaixo das gengivas, simulando a raiz de um dente. O titânio é um elemento químico compatível com os tecidos biológicos, ou seja, ele não provoca nenhuma reação adversa.

As próteses ou dentes substitutos são produzidos em cerâmica ou outro material resistente e semelhante à aparência dos dentes naturais, como porcelana ou resina. Apesar de envolver uma cirurgia, a inserção do implante é um procedimento muito simples, seguro e com índices elevados de sucesso.


Quais são os tipos de implante dentário?

Basicamente, existem quatro tipos de implantes, e a escolha da opção mais adequada varia de caso para caso. O profissional dentista é quem deve fazer toda a avaliação e decidir qual é o implante ideal para cada paciente. A seguir, separamos algumas informações sobre eles.

Implantes convencionais

Esse tipo de implante envolve a fixação dos cilindros de titânio nos ossos mandibular ou maxilar e recebe esse nome porque é a opção indicada na grande maioria dos casos. Além disso, é possível fazer um implante convencional em paciente com pouca estrutura óssea após ele passar por um procedimento de enxerto.

Implantes curtos

Utilizados em pacientes que não possuem quantidade suficiente de massa óssea, o implante curto é ideal para quem deseja passar pelo procedimento mas não quer fazer um enxerto ósseo.

Implantes zigomáticos

Nesse implante, os pinos são fixados no osso zigomático, sendo uma alternativa para pacientes que sofrem de reabsorção óssea severa do maxilar.

Ademais, em um tratamento de implante dentário, as próteses utilizadas também podem variar. Confira abaixo quais são elas.

Prótese protocolo ou fixa

Essa é a opção de implante mais recomendada para pacientes que possuem poucos ou nenhum dente e que desejam parar de usar dentadura, porque trata-se de um implante dentário total.

Ao contrário da prótese removível, a prótese fixa oferece muita segurança para os pacientes, porque é parafusada pelo dentista e não sofre deslocamentos quando movimentos de fala e mastigação são realizados.

A instalação desse tipo de implante dentário geralmente necessita de dois procedimentos realizados em dias diferentes: um para a retirada dos dentes que o paciente ainda possui e outro para a inserção dos cilindros de titânio. Nessa técnica, são colocados quatro pinos na arcada superior, dois de cada lado da boca, e outros quatro na inferior.

Apenas após a recuperação e passado o período de osteointegração é que a prótese fixa pode ser encaixada, devendo conter os dentes e a gengiva substituta, sendo construída especialmente para cada paciente sob um molde exato de sua boca.

Prótese overdenture

A prótese overdenture é total, porém removível, o que a diferencia da protocolo e facilita em muito a higienização. Além disso, essa modalidade de prótese sai mais em conta porque exige quantidade menor de pinos instalados, variando de dois a seis, contra os habituais oito pinos instalados para a prótese protocolo.

Assim como os outros tipos de implantes, a prótese overdenture também confere maior confiança e estabilidade ao paciente devido ao encaixe perfeito aos cilindros de titânio.

Implante unitário

O implante unitário é a opção ideal para aqueles pacientes que apresentam a falta de apenas um ou alguns dentes, sem afetar outras unidades que se encontram saudáveis, o que é a maior vantagem dessa técnica. Cada dente artificial é rosqueado sob um pino de titânio.

Que fatores afetam o preço do implante dentário?

Existem diversas condições que influenciam o valor desse procedimento. Primeiramente, o preço do implante dentário varia conforme o tipo de prótese e implante que será realizado. O número de dentes substitutos e a necessidade de realizar um enxerto ósseo também são fatores que podem multiplicar o preço final do tratamento.

Além disso, cada dentista pode estabelecer um preço diferente no seu consultório, o que depende da técnica aplicada (com ou sem cortes) e da qualidade dos materiais utilizados por cada profissional.

Atualmente, os materiais nacionais têm qualidade equivalente aos internacionais, o que aumentou a concorrência e, consequentemente, provocou uma queda no preço do tratamento como um todo.

Por esse motivo, fazer um implante ficou muito mais barato e acessível para grande parte da população. Além do mais, com o auxílio de um plano odontológico, os preços ficam ainda menores.

Todavia, é importante frisar que cada paciente tem um caso diferente, o que interfere em como o procedimento será realizado e no preço final que será cobrado pelo dentista. Por esse motivo, é fundamental procurar um profissional para fazer uma avaliação, porque só assim será possível ter uma visão completa do caso e obter um orçamento real.

Quais são os exames necessários antes de fazer o implante dentário?

Ao visitar o consultório odontológico, o primeiro exame que o dentista realiza é o clínico, no qual ele observa as condições bucais do paciente, como o estado da gengiva e quantos dentes estão faltando.

Durante essa primeira avaliação, o profissional precisa verificar também como está a estrutura óssea da região oral do paciente. Afinal, os ossos são indispensáveis para a sustentação dos pinos que serão inseridos durante o procedimento.

Para aprofundar ainda mais sua visão sobre a boca do paciente, o cirurgião-dentista solicita exames de imagem, como uma radiografia panorâmica. Além disso, ele solicita também exames laboratoriais para analisar se o paciente está saudável e apto para passar por uma cirurgia, considerando também o período de recuperação.

Quanto a isso, existem algumas condições que precisam ser avaliadas pelo profissional, como a presença de osteoporose, que deixa os ossos fracos e quebradiços, impossibilitando um implante, e o tabagismo, hábito que prejudica a cicatrização e a recuperação do paciente, contraindicando a realização do procedimento.

Pacientes diabéticos também merecem atenção especial no momento da avaliação para realizar um implante, porque essa doença  dificulta o processo de cicatrização e complica o tratamento como um todo.

Ademais, pacientes em tratamento de câncer, pessoas com insuficiência cardíaca ou com problemas de imunidade também podem apresentar restrições para passar pelo procedimento, visto que têm um organismo mais frágil e que pode não suportar a cirurgia e o período de recuperação.

Como é o pré-operatório?

Na consulta anterior à realização do procedimento, o cirurgião-dentista deve passar algumas orientações fundamentais para o seu paciente, como a necessidade de fazer uma dieta saudável nos dias anteriores à cirurgia, com suspensão de bebidas alcoólicas nesse período, e também a prescrição das medicações que devem ser iniciadas, o que incluim anti-inflamatórios e antibióticos.

Além disso, o pré-operatório também inclui explicações sobre detalhes do procedimento, como qual será a anestesia, quanto tempo costuma durar e a necessidade de um acompanhante no momento de ir para casa.

Outra parte muito importante da preparação para a instalação de implantes dentários envolve os esclarecimentos e cuidados necessários durante o pós-operatório, o que será detalhadoadiante.

Como é feito o implante dentário?

A realização de um implante dentário pode acontecer a partir de uma semana após a perda de um dente e, se feita o mais rápido possível, evita que massa óssea seja reabsorvida.

Após conferir a condição bucal do paciente quanto à saúde da gengiva e da estrutura dos ossos, o dentista determina qual é o tipo de implante e prótese mais adequada, assim como a necessidade de fazer ou não um enxerto ósseo.

O enxerto

Quando o osso está frágil ou em quantidade insuficiente, pode ser preciso realizar um enxerto antes de fazer o implante. Isso é porque, após perder um dente, a região do osso situada logo abaixo do espaço vazio começa a atrofiar, o que resulta também em retração da gengiva, o que afeta o sorriso do paciente e a sua estrutura óssea como um todo.

Confirmada a reabsorção, o paciente é submetido ao procedimento que envolve a colocação de osso retirado dele mesmo ou de um material sintético biocompatível na região deficiente. Assim, o dentista cria uma estrutura adequada para receber o implante convencional e garante o sucesso do procedimento.

O implante

O processo de implante envolve apenas três fases: a cirurgia, a reabertura e a colocação da prótese. Se o paciente ainda estiver com o dente que precisa ser substituído fixo na arcada dentária, é necessário acrescentar uma fase antes da cirurgia: a extração.

Outro detalhe é que pode ser necessário que o paciente passe por um tratamento com aparelhos dentais ou bandagens para adequar o espaço que receberá o implante.

Fase cirúrgica

Essa etapa é realizada em consultório odontológico, sob anestesia local. Em alguns casos mais complicados, pode ser necessário a sedação do paciente. Nessa etapa, os pinos de titânio, que se parecem com parafusos, são inseridos no osso mandibular e maxilar.

Para as fases posteriores, é necessário que o tecido ósseo calcifique e integre as estruturas de titânio, período chamado de osteointegração. Essa recuperação pode durar três a seis meses, o que varia conforme a saúde do paciente e a técnica utilizada durante o procedimento.

Reabertura

Passado o tempo necessário para a osteointegração, é preciso realizar uma etapa chamada de reabertura, que é a retirada da gengiva que recobre o pino para que a prótese seja instalada.

Colocação da prótese

A última fase é a colocação da prótese, a qual é produzida especialmente para cada paciente conforme a sua estrutura oral para substituir os dentes em falta.

Após passar por um implante, o paciente deve retornar ao dentista pelo menos uma vez ao ano para que um controle seja feito, o que envolve a verificação das próteses, o aperto dos parafusos e o acompanhamento por radiografias.

Fazer um implante dói?

Se o que assusta você é a dor que vai sentir no consultório odontológico, pode ficar tranquilo! A cirurgia é completamente indolor, visto que a anestesia utilizada interrompe toda a sua sensibilidade na região.

O único incômodo que você sentirá é da picada da agulha durante a aplicação da anestesia, a qual pode ser amenizada pelo uso de anestésicos tópicos, como a xilocaína.

É importante que o paciente seja informado que o efeito sedativo da anestesia pode provocar sonolência e outros efeitos que afetam sua capacidade motora. Por esse motivo, é fundamental que ele tenha um acompanhante quando passar pelo procedimento.

Quais os cuidados pós-operatórios do implante dentário?

O pós-operatório é um período delicado e que exige muitos cuidados do paciente, o qual é crucial para o sucesso do procedimento e para que a recuperação seja completa e sem agravantes. Nessa fase, é muito comum sentir desconfortos na boca e focos de dor intensa.

Por esse motivo, o dentista prescreve analgésicos potentes, como o ibuprofeno 600 mg com arginina.

Além disso, inchaços e sangramentos também ocorrem com frequência, sintomas que podem ser amenizados com o uso de compressas de gelo. Prestar atenção na posição da cabeça também é fundamental para evitar esses incômodos — a cabeça deve ficar elevada em relação ao corpo.

Confira outras medidas necessárias para que a recuperação seja a melhor possível.

Alimentação

O paciente deve seguir uma dieta especial durante o pós-operatório. No início, ela deve ser basicamente líquida ou pastosa, para que, durante a mastigação, isso não prejudique o local operado. Além disso, os alimentos consumidos devem ser gelados ou, no máximo, na temperatura ambiente, porque comidas mais quentes podem desencadear sangramentos.

Então, você está liberado para tomar sorvete, sucos, vitaminas, sopas frias e outros alimentos semelhantes durante esse período. Passada uma semana da cirurgia, o paciente pode começar a introduzir alimentos sólidos, entretanto, ele deve evitar mastigar com o lado em que foi feito o procedimento.

Higienização

A limpeza da boca não pode parar durante o pós-operatório. Por isso, é fundamental higienizar a cavidade com uma escova de dentes macia, além de fazer bochechos suaves com enxaguantes indicados pelo cirurgião.

Hábitos de vida

Nesse período, o paciente deve suspender por completo o hábito de fumar, visto que a nicotina presente no cigarro afeta a cicatrização. Ademais, as bebidas alcoólicas também devem ser deixadas de lado durante esse período.

Repouso

Durante as primeiras 24 horas, o paciente deve permanecer em completo repouso para amenizar os sintomas de dor, inchaço e sangramento. Com algumas precauções, é possível voltar às suas atividades normais logo no dia seguinte de instalar um implante dentário. O tempo de recuperação total varia de paciente para paciente, mas costuma durar cerca de um mês.

Medicamentos

O paciente deve utilizar os medicamentos indicados pelo cirurgião, os quais incluem antibióticos e anti-inflamatórios. Com o uso ideal das medicações, o que significa tomar as doses corretas e cumprir o tratamento até o fim, é possível evitar complicações como infecções bacterianas e inflamação.

Existe rejeição de implante?

Devido ao fato de os pinos serem confeccionados em titânio, o qual é totalmente compatível com os tecidos humanos, a cirurgia de implante dentário não gera rejeição.

O que pode ocorrer é que, no pós-operatório, o paciente descuide e acabe provocando situações que desencadeiam inflamação e infecção bacteriana, o que prejudica a sua recuperação.

Por esse motivo, é muito importante que o dentista explique exatamente quais são as medidas que precisam ser tomadas após a cirurgia, as quais devem ser seguidas à risca pelo paciente. Com todos os cuidados com os implantes dentários — o que inclui o retorno ao consultório odontológico para avaliação periódica —, eles podem durar até 40 anos.

Como escolher um bom dentista para fazer um implante dentário?

Para passar por um procedimento de implante com total segurança e garantia de resultados positivos é fundamental escolher um bom cirurgião-dentista.

Por esse motivo, você deve pesquisar sobre o profissional e considerar fatores como o tempo de atuação, cursos e especializações concluídas, indicações de pessoas que já passaram pelo procedimento com esse dentista e até a estrutura do estabelecimento em que ele atende.

Ademais, desconfie de profissionais que oferecem procedimentos de implante dentário a preços extremamente abaixo da média, porque isso é sinal de que ele utiliza materiais de baixa qualidade e que podem trazer riscos à sua saúde.

Optar por um implante dentário é a melhor escolha que você pode fazer para recuperar a estética do seu sorriso e funções essenciais para a sua vida, como a mastigação e a fala. Por esse motivo, investir o seu dinheiro em um bom profissional, o qual realizará o procedimento da melhor forma possível, vale muito a pena.

Além disso, como o preço do implante dentário está cada vez mais acessível, você tem uma chance maior de o tratamento caber no seu orçamento. O que você está esperando? Aproveite a oportunidade e faça um implante dentário! Temos certeza de que, assim, tanto a sua autoestima como a qualidade de vida serão beneficiadas!

Gostou do nosso post? Então, que tal assinar a nossa newsletter para receber sempre os melhores conteúdos sobre implantes e saúde bucal? Não perca essa chance!

RECEBA DICAS PARA TER
UM SORRISO SAUDÁVEL