Cirurgia de siso: conheça o passo a passo do procedimento

Os sisos são os últimos dentes a nascer, e isso costuma ocorrer entre os 15 e 20 anos de idade. Por isso, é muito comum que não haja espaço suficiente para ele, causando dores, sensação incômoda e desconforto, inflamações ou, até mesmo, alteração do alinhamento da arcada, sendo necessária a extração!

A cirurgia de siso consiste na retirada dos terceiros molares, e para muitas pessoas esse procedimento é uma sensação de alívio. Apesar de tranquila e sem razões para temer, a extração dos sisos exige cuidados, sendo essencial cumprir as orientações do dentista para que não aconteça nenhum problema após a cirurgia e, também, para reduzir os desconfortos que a operação causa.

Se você vai passar por uma de extração dos sisos e quer saber mais sobre esse processo, não deixe de conferir o nosso conteúdo. Aqui, vamos falar sobre o que é necessário para a cirurgia, bem como ela é feita. Confira!

Quais os exames feitos antes da cirurgia?

A primeira fase de uma cirurgia para extrair o siso consiste em uma análise feita pelo dentista. O exame de imagem padrão é a radiografia que permite uma concepção melhor e mais clara da situação da arcada dentária.

Dependendo do caso, pode existir a possibilidade de outro exame que forneça ao cirurgião dentista mais detalhes para o seu planejamento cirúrgico. Nessa situação, ele pode solicitar uma tomografia computadorizada, que consiste em um exame complementar de diagnóstico por imagem.

Para que a cirurgia seja realizada com segurança, outros exames podem ser solicitados dependendo da situação do paciente. Por fim, com as informações corretas, o dentista entende e pode decidir a melhor forma de extrair.

O objetivo é apostar na prevenção de algumas complicações e evitar a dor que uma cirurgia pode proporcionar — quanto mais adequado for o procedimento, mais fácil será a operação e a recuperação.

Como se preparar no dia da extração?

Os cuidados pré-operatório devem ser avaliados com o seu dentista e é importante tirar todas as dúvidas. É recomendado não comer e beber nas horas que antecedem a cirurgia, mas, se não for possível, opte por uma refeição leve e ligeira. Evite tomar medicamentos, consumir álcool e tabaco até 12 horas antes do procedimento, e não se esqueça de escovar os dentes e usar o fio dental.

Após uma cirurgia oral, não é possível prever qual o estado do paciente no final da operação e, assim, recomenda-se levar um acompanhante ou solicitar alguém para buscá-lo no consultório.

Como é dada a anestesia?

A anestesia  faz com que os tecidos percam a sensibilidade por aproximadamente 180 minutos. A anestesia é local, administrada por injeção e aplicada nos lados de fora e de dentro da gengiva — no caso de sisos superiores, é aplicada também no canto do céu da boca e próximo ao dente.

Além da anestesia, você e seu dentista podem decidir usar algum sedativo para controlar o estresse. Caso seja utilizado, é preciso levar alguém que acompanhe você para orientar enquanto o sedativo ainda estiver fazendo efeito.

Como é o processo de extração?

Antes do processo, o dentista analisará se é necessário tomar antibióticos antes e depois da extração, caso apresentar algum sinal de inflamação ou cárie para a prevenção de infecções.

A cirurgia pode ser realizada de duas maneiras: se os dentes já nasceram e estão à vista, sua extração é feita do mesmo modo que se extrai qualquer outro; se estão inclusos, é preciso fazer uma incisão na gengiva e remover a parte do osso que se apresenta sobre o siso.

No dia da remoção, o dentista anestesiará a região e, logo depois, os siso serão soltos com um instrumento de extração, removendo-os com fórceps dentários. No caso dos dentes inclusos, é realizada uma incisão na gengiva até onde ele está localizado, para que possa ser retirado.

Depois da extração, o cirurgião vai suturar o local com pontos e utilizar uma compressa estéril para que o paciente possa morder para interromper a hemorragia.

Os dentes que estão erupcionados são retirados rapidamente e com uma recuperação mais fácil. Já o que está incluso pode demorar mais tempo e a recuperação é mais lenta devido a manipulação cirúrgica mais invasiva.


Quanto tempo dura a cirurgia de siso?

O tempo da cirurgia está relacionado ao grau de dificuldade de cada siso, se está incluso ou erupcionado na cavidade bucal. Outro fator é em relação ao grau de experiência do dentista, pois há cirurgiões e pacientes que preferem extrair os dois dentes de um mesmo lado em uma única sessão e, após alguns dias, remover os dois do outro lado.

Em geral, a cirurgia leva menos de 30 minutos em cada dente para ser realizada e, em alguns casos mais fáceis, dependendo do quadro do paciente, pode demorar até 5 minutos.

Quais as possíveis complicações?

Os problemas que podem ser comuns em todas as cirurgias são as infecções, mas além delas, podem ocorrer:

  • alveolite: pode aparecer quatro ou cinco dias após o procedimento e vem acompanhada de dores fortes. Acontece quando o coágulo de sangue que foi formado se desloca ou se desfaz;
  • parestesia: é bem rara e pode durar algumas semanas. Consiste em um dano nos nervos adjacentes ao dente que foi retirado, causando dormência na boca;
  • trismo: acontece quando a pessoa mantém a mandíbula bastante tensa durante a operação, ou quando a extração foi difícil. O paciente sente dificuldades em abrir a boca, prejudicando a mastigação e a alimentação.

Esses problemas são raros e podem ser evitados com medicação prescrita antes do procedimento, e depende da competência do dentista. Por isso, se você precisa realizar a cirurgia de siso, marque uma consulta com um profissional responsável. Ele poderá esclarecer todas as suas dúvidas em relação ao procedimento cirúrgico, além de explicar as possíveis complicações.

Se você gostou do nosso post e deseja saber mais, leia também sobre dentes do siso: por que tirar antes dos 20?

RECEBA DICAS PARA TER
UM SORRISO SAUDÁVEL