Posts

A cavidade oral é uma parte do seu organismo que exige muitos cuidados, os quais incluem desde a correta higienização até consultas periódicas com o seu dentista. Esses hábitos contribuem para se manter uma boa saúde, tanto bucal quanto geral.

A falta desses cuidados pode resultar em algumas doenças, como a pericoronarite, muito associada também com o período do nascimento dos sisos, os famosos dentes do juízo que chegam com a idade adulta. Mas o que é pericoronarite? Essa é uma inflamação que ocorre na gengiva localizada ao redor da coroa do dente do siso enquanto ele está nascendo.

Se você tem sentindo algumas dores na região mais ao fundo da sua boca e percebeu que o seu dente do siso já despontou parcialmente, sendo que esse dente fica em um estado de “nasce, não nasce” sem fim, pode ser que você esteja sofrendo com os sintomas desagradáveis da pericoronarite. Quer saber mais sobre essa doença? Continue a leitura e descubra tudo sobre ela!

Fatores que contribuem para a inflamação​

Essa doença tem como principal fator desencadeante o nascimento parcial do dente do siso. Isso ocorre porque ele ainda estará coberto pelo tecido mole, entretanto, devido já ter rompido a gengiva em partes, alguns resíduos de alimentos vão se acumulando no espaço remanescente, inflamando o local, o que define a pericoronarite.

Essa inflamação afeta principalmente o tecido ao redor dos sisos inferiores, pois, nesse local, o espaço entre a gengiva e o dente é mais favorável ao acúmulo de restos de alimentos. Como consequência, esses resíduos acabam atraindo micro-organismos e estimulam a proliferação de bactérias, as quais provocam placa bacteriana e até cáries no novo dente.

Outro motivo que causa a pericoronarite é quando um dente fere a gengiva localizada do lado oposto no ato da mastigação. Assim, o problema pode ocorrer em diversos momentos da sua vida e não apenas durante o nascimento do terceiro molar, apesar de ser mais comum durante essa fase.

Além disso, o estresse, que provoca queda da imunidade, e infecções nas vias respiratórias, como amigdalites e faringites, pode predispor ao desenvolvimento da pericoronarite.

Principais sintomas

Os sintomas da pericoronarite incluem inchaço da gengiva, vermelhidão, dor aguda no local, formação de pus, sangramentos, mau-hálito, assim como dificuldade em abrir a boca, o que afeta em muito a fala, a mastigação e a deglutição.

Além disso, se não tratada corretamente, a pericoronarite pode evoluir para uma infecção, a qual pode ser leve, moderada ou severa, podendo atingir inclusive estruturas mais internas da sua boca, como os ossos, e outras regiões próximas, como a garganta e o ouvido.

Nessas situações mais sérias, sintomas como febre e mal-estar, dores de cabeça, garganta e ouvido, além de ínguas no pescoço, que é o inchaço dos gânglios devido a ativação do sistema imunológico, chamado de linfonodomegalia cervical, podem ser sentidos.

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado por um dentista, sendo de fundamental importância que você procure-o imediatamente ao sentir os primeiros sintomas. Primeiramente, o profissional avaliará a sintomatologia, ou seja, o que você relatar que está sentindo.

Logo após, ele vai examinar os sinais na sua boca que podem indicar uma pericoronarite, o que é chamado de exame intraoral. Além disso, ele poderá pedir uma radiografia panorâmica para avaliar a posição dos seus dentes na arcada dentária, analisando principalmente como está o seu siso, que pode ser um dos fatores que está gerando essa inflamação.

Tratamento mais indicado

O tratamento dependerá basicamente da intensidade dos sintomas. Como a pericoronarite é uma inflamação, o uso de anti-inflamatórios será receitado pelo seu dentista, medicamento que vai diminuir o inchaço, a dor e a vermelhidão da sua gengiva.

Se seu caso já estiver mais avançado, com a presença de infecção, o odontólogo vai prescrever o antibiótico adequado para conter e exterminar as bactérias causadoras do problema.

É importante destacar que o consumo de medicamentos deve ser feito corretamente e sempre conforme a prescrição. A dosagem deve ser respeitada, evitando esquecer ou tomar doses a menos, o que tornaria o tratamento inefetivo, ou exagerar e tomar a mais, que pode ser muito perigoso e provocar até uma intoxicação, o que colocaria sua vida em risco.

Além disso, completar os dias de tratamento até o fim também é fundamental, com destaque especialmente para os antibióticos. Logo nos primeiros dias, você já vai sentir uma melhora, mas você deverá tomar o medicamento até o fim para garantir que todas as bactérias causadoras da infecção sejam destruídas.

Além disso, algumas formas caseiras de remediar a pericoronarite incluem fazer bochechos com água morna e sal ou água oxigenada, o que é de fácil preparo e aliviará em muito os seus sintomas.

Somente após tratar a pericoronarite é que uma cirurgia de extração do siso poderá ser realizada. Esse procedimento é, muitas vezes, indispensável para evitar novas inflamações e problemas recorrentes no local onde o siso está nascendo. A cirurgia de extração é muito simples e de baixo risco, realizada em consultório e com anestesia local, ou seja, você não sentirá dor alguma.

Ademais, se a cirurgia não for recomendada ou o siso tenha espaço suficiente para nascer e permanecer na arcada dentária, um pequeno procedimento, chamado ulectomia, em que a gengiva que recobre o dente é retirada, pode ser a medida ideal.

A prevenção, no entanto, é a melhor opção, pois evita que a inflamação se inicie. Assim, escove muito bem os seus dentes, principalmente mais ao fundo da sua boca. Também nunca esqueça do fio dental, pois só com o uso dele você consegue remover resíduos de alimentos quase imperceptíveis entre os seus dentes. Você pode usar ainda um antisséptico bucal, para evitar a proliferação de bactérias que podem provocar infecções.

A pericoronarite provoca muitos incômodos, não só na sua boca, mas envolvendo todo o seu bem-estar, pois afeta em muito o seu dia a dia. Portanto, não deixe de procurar um dentista de confiança ao sentir os primeiros sintomas da inflamação, pois assim você iniciará o tratamento adequado o mais rápido possível e, quando recuperado, poderá seguir sua rotina normalmente.

Gostou de saber o que é pericoronarite e se identificou nessa situação? Então dê uma olhada em nosso post sobre quais são os casos em que a retirada do siso é indispensável!

Implante dentário na frente do sorriso abre portas, devolve a autoestima e reconstrói a mordida e a saúde bucal.

E no Brasil, 11% da população ou 16 milhões de pessoas não tem nenhum dente, conforme a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) feita pelo IBGE, em 2013. Outros 23% perderam 13 dentes ou mais, e 33% usam algum tipo de prótese dentária.

Recentemente, uma pesquisa realizada pela Faculdade Estadual do Sudoeste da Bahia e publicada no American Journal of Orthodontics & Dentofacial Orthopedics revelou que pessoas com dentes bem tratados e alinhados têm 67% mais chances na hora da contratação. Tudo isso porque acabam tendo um sorriso mais espontâneo, demonstrando mais autoconfiança, sociabilidade e felicidade.

Além da perda da autoestima, perder os dentes da frente também prejudica a saúde como um todo: mastigar mal pode atrapalhar a digestão, porque faz com que você não absorva os nutrientes da refeição. Outra coisa é que a pessoa acaba engolindo o ar junto com a refeição ou tomando muito líquido. Além de ingerir calorias em excesso, faz com que a pessoa possa ter sintomas de distensão abdominal, desconforto.

Os dentes fazem falta sim

Um adulto com uma dentição permanente completa (com os sisos) costuma ter na boca 32 dentes. Numa boca adulta são 2 incisivos centrais, 2 incisivos laterais, 2 caninos, 4 pré-molares e 6 molares, isso em cada arco dentário (superior e inferior).

Os dentes são responsáveis por cortar e amassar os alimentos, facilitando a ação de enzimas. Sem eles, alimentos sólidos não seriam ingeridos com eficiência.Cada dente tem uma função na hora de mastigar:

  • Incisivos: são utilizados para cortar os alimentos. Oito dentes, sendo quatro em cima e quatro embaixo. São os mais visíveis, com formato quadrangular, achatado e extremidade em forma de lâmina, própria para que possam exercer sua função.
  • Caninos: rasgam e perfuram os alimentos. Vêm logo após os incisivos (dois em cima e dois embaixo, um de cada lado). Têm pontas agudas (cúspides) e coroa robusta, em forma de cone, parecendo uma lança. São os dentes mais fortes da boca.
  • Pré-molares: esmagam o alimento em pequenos pedaços para ser engolido. Esses dentes apresentam duas pontas (cúspides) e são mais redondos e achatados.
  • Molares: ajudam a moer e a triturar alimentos já na fase final da mastigação. Possuem várias pontas (cúspides). Pessoas sem os dentes da frente, os incisivos, tem grande dificuldade em morder o primeiro pedaço de um alimento inteiro, como uma maçã, por exemplo, exigindo assim o uso obrigatório de um faca para cortar os pedaços.  

Um sorriso sem janelas pode abrir muitas portas

Sorrir promove a contração de 28 músculos faciais, o que ativa e aumenta no cérebro a produção de serotoninas e endorfinas, neurotransmissores que se disseminam pelo corpo e dão sensação de bem-estar e prazer. O riso é contagiante e, há quem diga, rejuvenescedor.

O sorriso movimenta pelo menos 30 músculos do rosto e muito antes do surgimento dos primeiros códigos de linguagem verbal e escrita já era utilizado para a comunicação entre seres humanos.

Antoine de Saint-Exupéry (escritor do livro O Pequeno Príncipe) dizia que “No momento em que sorrimos para alguém, descobrimo-lo como pessoa, e a resposta do seu sorriso quer dizer que nós também somos pessoa para ele”.

O sorriso  transforma, conquista, quebra barreiras, uni objetivos, alcança resultados e o mais importante, contagia todos a sua volta. Torna-se um elemento indispensável para se obter a reciprocidade, a empatia e trazer leveza para o ambiente de trabalho.

Por isso não perca mais tempo. Fazer implante dentário na frente é acessível e perfeitamente possível. O resgate do sorriso e da mordida são duas funções importantes na qualidade de vida de todas as pessoas. Vale o investimento.

RT. CRO-GO-EPAO-425 C.D. Luis Francisco Coradazzi CRO-GO-CD-7747