Entenda como funciona o enxerto ósseo dentário para a instalação de implantes

O enxerto ósseo dentário é uma boa opção para as pessoas que querem colocar implantes, mas não apresentam uma região apropriada para recebê-los. Essa cirurgia visa ao aumento da espessura ou da altura do osso no local em que será feito o procedimento. Isso permite a colocação de implantes dentários. O procedimento cirúrgico é simples e pode ser feito em um consultório odontológico, com anestesia local, ou, em casos mais avançados, com anestesia geral.

Para saber se é necessário fazer o procedimento, é preciso analisar o maxilar e a mandíbula de cada paciente. Por meio de radiografias e, até mesmo, de tomografias, é possível avaliar como está a estrutura óssea bucal da pessoa.

O enxerto ósseo em implantes dentários ocorre quando o dentista compreende que não existe osso suficiente para suportar o implante. É necessário quando há perda óssea, que pode ser causada por doenças na gengiva, traumas, lesões e dentes ausentes por muito tempo.

Neste post, vamos falar sobre como funcionam os enxertos ósseos para a instalação de implantes dentários. Quer ficar por dentro do assunto? Então confira!

Quais são os tipos de enxerto ósseo para implantes?

Os enxertos podem ser de um doador humano, do próprio paciente, de origem animal ou sintético, que é chamado de substituo ósseo.

Autógenos

Esses são removidos do tecido ósseo do próprio paciente. A cirurgia é feita com anestesia local no próprio consultório odontológico e, caso o procedimento seja mais avançado, ele precisa ser feito em um ambiente hospitalar, com anestesia geral. O enxerto pode ser extraído do osso ilíaco, da calota craniana ou de algumas regiões da mandíbula, em um local posterior ao siso, chamado de ramo da mandíbula. Essa região tem quantidade óssea suficiente para a maioria dos casos.

É possível afirmar que o osso autógeno é considerado como “padrão ouro”, e seus resultados são excelentes. Ele não apresenta chances de rejeição, é gratuito e tem forte potencial de formação de um novo osso em razão de o material ser genético.

Alógenos

Esses enxertos são doados de cadáveres humanos e grande parte da proteína óssea, que provoca a formação do osso, é destruída durante o seu processamento, e o enxerto perde um pouco do seu potencial de neoformação óssea. Ele funciona como um andaime, uma estrutura que auxilia no direcionamento da formação óssea. Antes de o paciente receber esse tipo de material, é necessário efetuar alguns procedimentos prévios, como testes para saber se o doador apresenta alguma doença contagiosa.

Xenógenos

São enxertos vindos de outras espécies, de origem animal, e a mais comum é a de origem bovina. É misturado ao tecido ósseo autógeno, coletado ou utilizado isoladamente em situações em que há necessidade de preenchimentos de cavidades. Ele promove uma maior integração e substituição por um osso novo, permitindo uma reabilitação com implantes na região enxertada.


Existe possibilidade de rejeição dos implantes?

Os implantes dentários são confeccionados com titânio e são completamente inertes. Os materiais que são quimicamente inertes são 100% compatíveis com o organismo. Eles não liberam substâncias que podem provocar algum tipo de rejeição pelo nosso corpo, sendo assim, não representam risco de recusa ao titânio.

Um problema que pode acontecer é o insucesso, ou seja, a união do osso ao implante pode não ser efetiva. Isso pode ocorrer antes ou após a colocação do dente. Entretanto, esse fato representa um índice muito pequeno — menos de 5% dos casos nos quais é indicada a instalação de implantes. Se existir a possibilidade de recolocá-lo, isso será feito, mas, se não for possível, outra solução será oferecida.

Quais os cuidados após realizar o procedimento?

Os cuidados após o procedimento podem influenciar bastante no resultado da cirurgia. Existem muitos que devem ser seguidos com rigor para que o osso faça uma boa cicatrização e o paciente consiga receber o implante.

Repouse

O repouso é muito importante e é indicado por, no mínimo, 48 horas. Dependendo do tipo de recuperação individual de cada paciente, o repouso pode demandar até 10 dias de atestado.

Evite atividades físicas e esforços exagerados nas primeiras 48 horas, pois são essenciais para uma boa recuperação. Além disso, dê prioridade para ambientes ventilados e frescos.

Não tome sol

Evitar se expor ao sol nos primeiros dias é muito importante. Como a região pode estar muito sensível e inchada, a exposição excessiva pode contribuir ainda mais para o incômodo e o inchaço da área.

Não consuma bebidas alcoólicas

A ingestão de bebidas alcoólicas pode prejudicar a recuperação da cirurgia. Por isso, é importante evitar, afinal, o álcool pode desidratar o corpo, diminuir a resistência e, consequentemente, aumentar o risco de infecções. Além disso, pode contribuir para o inchaço e aumentar o risco de sangramentos.

Cuide da alimentação

O indicado é que, nas primeiras 48 horas, o paciente consuma alimentos frios, pastosos e líquidos. Sorvetes e sucos gelados também podem ser consumidos. A ingestão de alimentos gelados pode aliviar a sensação de dor e inchaço.

A alimentação pastosa nos primeiros dias evita que a pessoa tenha uma mastigação excessiva que possa prejudicar a dor e, até mesmo, a recuperação.

Aposte em compressas de gelo

Utilizando uma gaze higienizada e limpa embebida em água gelada, faça compressas na área por 48 horas. Elas poderão amenizar os hematomas e edemas da cirurgia e darão uma sensação de alívio no local operado.

Não faça pressão interna na boca

A pressão interna que é exercida na boca pode forçar os pontos e provocar desconforto e dor. Por isso, tente não bochechar, cuspir ou tomar líquidos por meio de canudos nas primeiras 72 horas.

Evite falar muito

Nos primeiros dias após a cirurgia, é bastante comum que o local operado esteja mais sensível. Dessa forma, movimentar demais a boca e os lábios pode deixar a área mais dolorida.

Faça a higienização bucal

Higienize a área bucal com bastante cuidado. Não se esqueça de escovar os dentes próximo ao local operado, mas seja cauteloso e faça isso lentamente para não machucar a região.

Se você tem alguma dúvida sobre enxerto ósseo dentário, não deixe de consultar um dentista para que ele possa avaliar a sua condição e verificar se será necessária a colocação de um implante.

Gostou do nosso conteúdo, quer saber mais ou tem alguma dúvida? Então faça um comentário no post. Será um prazer respondê-lo!

RECEBA DICAS PARA TER
UM SORRISO SAUDÁVEL