ENXERTO ÓSSEO

ENXERTO ÓSSEO

Agende sua avaliaçãoAgende sua avaliação
enxerto ósseo de qualidade e seguro

ENXERTO ÓSSEO

ENXERTO ÓSSEO

enxerto ósseo

O enxerto ósseo é uma alternativa para pacientes que desejam fazer um implante dentário, mas apresentam perda óssea e serve para  reabilitar esta parte danificada do osso.

efeito de um enxerto ósseo

O enxerto ósseo é a oportunidade de ter um novo osso forte que permitirá realizar o implante dentário e proporcionar a possibilidade ter uma aparência de dentes naturais.

CCO Referência em enxerto ósseo

No CCO temos profissionais especializados e capacitados para realizar as técnicas mais modernas de procedimentos cirúrgicos de enxerto ósseo.

Enxerto òsseo

O enxerto ósseo é uma alternativa para pacientes que desejam fazer um implante dentário, mas apresentam perda óssea. Quando há essa perda, a pouca quantidade de osso na mandíbula e ou maxila pode impossibilitar a cirurgia de implante dentário. Mas quando é necessário a cirurgia de enxerto ósseo? Você sabe como ela é feita? 

Dr. Henrique Taniguchi explica claramente o que é um enxerto ósseo, o que leva as pessoas a precisarem deste procedimento e como é feito esta cirurgia no CCO. 

TIPOS DE ENXERTO ÓSSEO REALIZADO NO CCO 

Enxertos Ósseos Autógenos (tecido ósseo próprio): algumas regiões da mandíbula podem fornecer tecido ósseo para pequenas reconstruções ósseas.  

Enxertos Homogêneos: os Bancos de Tecidos Humanos do Hospital das Clinicas / USP processa tecido ósseo para Ortopedia médica e para enxertos odontológicos. É um procedimento seguro e é cientificamente comprovado sua eficácia.  

Enxertos Alógenos (matriz óssea bovina): a matriz óssea de origem sintética ou animal podem ser usadas misturadas ao tecido ósseo autógeno coletado ou isoladamente em situações como o preenchimento de cavidades, como no caso de extrações.  

QUANTO CUSTA UM ENXERTO ÓSSEO

Não é possível estimar custos de tratamentos sem a realização de um exame clínico apurado, onde serão verificados exames complementares como tomografia computadorizada, radiografia panorâmica, exames da saúde geral do paciente. Casos mais simples podem ser realizados em consultório, porém casos mais complexos requerem cirurgias maiores, sedação ou anestesia geral e internação hospitalar. 

EXISTE POSSIBILIDADE DE REJEIÇÃO DOS IMPLANTES? 

Os implantes dentários são confeccionados com titânio e são completamente inertes. Os materiais que são quimicamente inertes são 100% compatíveis com o organismo. Eles não liberam substâncias que podem provocar algum tipo de rejeição pelo nosso corpo, sendo assim, não representam risco de recusa ao titânio. 

Um problema que pode acontecer é o insucesso, ou seja, a união do osso ao implante pode não ser efetiva. Isso pode ocorrer antes ou após a colocação do dente. Entretanto, esse fato representa um índice muito pequeno — menos de 5% dos casos nos quais é indicada a instalação de implantes. Se existir a possibilidade de recolocá-lo, isso será feito, mas, se não for possível, outra solução será oferecida. 

CUIDADOS APÓS REALIZAR O PROCEDIMENTO

Os cuidados após o procedimento podem influenciar bastante no resultado da cirurgia. Existem muitos que devem ser seguidos com rigor para que o osso faça uma boa cicatrização e o paciente consiga receber o implante. Dentre eles destacam-se: repouso; evitar atividades físicas nas primeiras 48 horas; evitar sol; não consumir bebidas alcoólicas; comer comidas pastosas e líquidas nas primeiras 48h; fazer compressas gelo, evitar falar muito; fazer higiene bucal com muito cuidado.  

QUANDO FAZER ENXERTO ÓSSEO?

O enxerto ósseo em implantes dentários ocorre quando o dentista compreende que não existe osso suficiente para suportar o implante. É necessário quando há perda óssea, que pode ser causada por doenças na gengiva, traumas, lesões e dentes ausentes por muito tempo. 

Saiba mais sobre o procedimento de enxerto ósseo, leia nossos artigos.

ENTENDA COMO FUNCIONA A CIRURGIA DE ENXERTO ÓSSEO

Após passado por uma avaliação do cirurgião-dentista e atestado a sua necessidade, é preciso que o paciente passe por algumas etapas para a conclusão do processo. Uma delas é a realização de uma série de exames para identificar a área que irá receber o enxerto e de quanto material será necessário para fazer o preenchimento. 

Exames necessários para fazer enxerto ósseo

Alguns exames são necessários antes de ser realizada a cirurgia de enxerto ósseo. Para saber se é necessário fazer o procedimento, é preciso analisar a maxila e a mandíbula de cada paciente. Por meio de radiografias e, até mesmo, de tomografias, é possível avaliar como está a estrutura óssea bucal da pessoa e qual a melhor forma de realizar a cirurgia. 

A cirurgia de enxerto ósseo

Após os exames feitos, está na hora de dar andamento no tratamento! O paciente irá passar por algumas etapas até a conclusão e realização da prótese dentária. São elas: Remoção do dente comprometido, se for o caso, e posterior espera da cicatrização natural da região, por 1 mês no mínimo. Utilização de prótese provisória. Realização do enxerto, após ser avaliada a quantidade óssea que a região irá precisar. Isto implica na seleção da área doadora, por exemplo. Espera entre 6 e 9 meses. Realização de implante dentário. Espera de 3 meses para recuperação. Realização da prótese.   

A cirurgia pode ser feita com anestesia local, com sedação ou, dependendo do caso, com anestesia geral. Tudo para o melhor conforto do paciente. 

Cuidados no pós-operatório

É de suma importância que o paciente submetido a cirurgia de enxerto ósseo siga a risca as orientações do cirurgião-dentista para o pós-operatório. Esses cuidados podem influenciar consideravelmente no resultado da cirurgia. Alguns devem ser seguidos com rigor para que o osso faça uma boa cicatrização e o paciente consiga receber o implante.  

Repouso

O repouso é muito importante para a recuperação do paciente. O indicado é, no mínimo, 48 horas. Dependendo do tipo de recuperação, o repouso pode demandar até 10 dias de atestado. Evitar atividades físicas e esforços exagerados nas primeiras 48 horas são essenciais para uma boa recuperação. Além disso, dê prioridade para ambientes ventilados e frescos. Evitar tomar sol nos primeiros dias também é necessário. 

Cuidar da alimentação

O indicado é que, nas primeiras 48 horas, o paciente consuma alimentos frios, pastosos e líquidos. Sorvetes e sucos gelados também podem ser consumidos. A ingestão de alimentos gelados pode aliviar a sensação de dor e inchaço. 

A alimentação pastosa nos primeiros dias evita que a pessoa tenha uma mastigação excessiva que possa aumentar a dor e, até mesmo, a atrasar recuperação. Mas, apesar de ser indicado o consumo de bebidas geladas, não é adequado a ingestão de bebidas alcoólicas, porque o álcool pode desidratar o corpo, diminuir a resistência e, consequentemente, aumentar o risco de infecções 

Higienização adequada

Deve-se ter cuidado ao realizar a higienização bucal. Não se esqueça de escovar os dentes próximo ao local operado, mas seja cauteloso e faça isso lentamente para não machucar a região. 

Compressas na região operada e evitar falar nos primeiros dias, também são ótimas dicas para uma boa recuperação do enxerto ósseo. 

ENTENDA COMO FUNCIONA A CIRURGIA DE ENXERTO ÓSSEO

Após passado por uma avaliação do cirurgião-dentista e atestado a sua necessidade, é preciso que o paciente passe por algumas etapas para a conclusão do processo. Uma delas é a realização de uma série de exames para identificar a área que irá receber o enxerto e de quanto material será necessário para fazer o preenchimento. 

Exames necessários para fazer enxerto ósseo

Alguns exames são necessários antes de ser realizada a cirurgia de enxerto ósseo. Para saber se é necessário fazer o procedimento, é preciso analisar a maxila e a mandíbula de cada paciente. Por meio de radiografias e, até mesmo, de tomografias, é possível avaliar como está a estrutura óssea bucal da pessoa e qual a melhor forma de realizar a cirurgia. 

A cirurgia de enxerto ósseo

Após os exames feitos, está na hora de dar andamento no tratamento! O paciente irá passar por algumas etapas até a conclusão e realização da prótese dentária. São elas: Remoção do dente comprometido, se for o caso, e posterior espera da cicatrização natural da região, por 1 mês no mínimo. Utilização de prótese provisória. Realização do enxerto, após ser avaliada a quantidade óssea que a região irá precisar. Isto implica na seleção da área doadora, por exemplo. Espera entre 6 e 9 meses. Realização de implante dentário. Espera de 3 meses para recuperação. Realização da prótese.   

A cirurgia pode ser feita com anestesia local, com sedação ou, dependendo do caso, com anestesia geral. Tudo para o melhor conforto do paciente. 

Cuidados no pós-operatório

É de suma importância que o paciente submetido a cirurgia de enxerto ósseo siga a risca as orientações do cirurgião-dentista para o pós-operatório. Esses cuidados podem influenciar consideravelmente no resultado da cirurgia. Alguns devem ser seguidos com rigor para que o osso faça uma boa cicatrização e o paciente consiga receber o implante.  

Repouso

O repouso é muito importante para a recuperação do paciente. O indicado é, no mínimo, 48 horas. Dependendo do tipo de recuperação, o repouso pode demandar até 10 dias de atestado. Evitar atividades físicas e esforços exagerados nas primeiras 48 horas são essenciais para uma boa recuperação. Além disso, dê prioridade para ambientes ventilados e frescos. Evitar tomar sol nos primeiros dias também é necessário. 

Cuidar da alimentação

O indicado é que, nas primeiras 48 horas, o paciente consuma alimentos frios, pastosos e líquidos. Sorvetes e sucos gelados também podem ser consumidos. A ingestão de alimentos gelados pode aliviar a sensação de dor e inchaço. 

A alimentação pastosa nos primeiros dias evita que a pessoa tenha uma mastigação excessiva que possa aumentar a dor e, até mesmo, a atrasar recuperação. Mas, apesar de ser indicado o consumo de bebidas geladas, não é adequado a ingestão de bebidas alcoólicas, porque o álcool pode desidratar o corpo, diminuir a resistência e, consequentemente, aumentar o risco de infecções 

Higienização adequada

Deve-se ter cuidado ao realizar a higienização bucal. Não se esqueça de escovar os dentes próximo ao local operado, mas seja cauteloso e faça isso lentamente para não machucar a região. 

Compressas na região operada e evitar falar nos primeiros dias, também são ótimas dicas para uma boa recuperação do enxerto ósseo. 

Uma boa referência faz toda a diferença!

Alguns depoimentos dos nossos pacientes

Com localização privilegiada em Goiânia, o CCO é especializado em Implantodontia, Cirurgia Bucomaxilofacial e Reabilitação Oral.

Há 14 anos no mercado de Goiânia, o CCO – Centro de Cirurgia Oral, já atendeu mais de 37 mil pacientes.

Hoje somos referência em cirurgias orais como extração de sisos, dentes inclusos, tracionamento, disjunções cirúrgicas, além de atuar com o tratamento reabilitador oral através de implantes dentais e facetas de porcelana.

Uma boa referência, faz toda diferença!

FAQ – Perguntas Frequentes

Os enxertos podem ser de um doador humano, do próprio paciente, de origem animal ou sintético, que é chamado de substituo ósseo. 

Para resolver ou melhorar o problema dos dentes escurecidos, o cirurgião-dentista faz uso de um gel clareador. Esse gel tem a propriedade de penetrar nos poros dos dentes, combatendo esses pigmentos que ficam retidos ou impregnados. 

Esses são removidos do tecido ósseo do próprio paciente. A cirurgia é feita com anestesia local no próprio consultório odontológico e, caso o procedimento seja mais avançado, ele precisa ser feito em um ambiente hospitalar, com anestesia geral. O enxerto pode ser extraído do osso ilíaco, da calota craniana ou de algumas regiões da mandíbula, em um local posterior ao siso, chamado de ramo da mandíbula. Essa região tem quantidade óssea suficiente para a maioria dos casos. 

É possível afirmar que o osso autógeno é considerado como “padrão ouro”, e seus resultados são excelentes. Ele não apresenta chances de rejeição, é gratuito e tem forte potencial de formação de um novo osso em razão de o material ser genético. 

Esses enxertos são doados de cadáveres humanos e grande parte da proteína óssea, que provoca a formação do osso, é destruída durante o seu processamento, e o enxerto perde um pouco do seu potencial de neoformação óssea. Ele funciona como um andaime, uma estrutura que auxilia no direcionamento da formação óssea. Antes de o paciente receber esse tipo de material, é necessário efetuar alguns procedimentos prévios, como testes para saber se o doador apresenta alguma doença contagiosa. 

São enxertos vindos de outras espécies, de origem animal, e a mais comum é a de origem bovina. É misturado ao tecido ósseo autógeno, coletado ou utilizado isoladamente em situações em que há necessidade de preenchimentos de cavidades. Ele promove uma maior integração e substituição por um osso novo, permitindo uma reabilitação com implantes na região enxertada. 

Não é possível estimar custos de tratamentos sem a realização de um exame clínico apurado, onde serão verificados exames complementares como tomografia computadorizada, radiografia panorâmica, exames da saúde geral do paciente. Casos mais simples podem ser realizados em consultório, porém casos mais complexos requerem cirurgias maiores, sedação ou anestesia geral e internação hospitalar. 

Os implantes dentários são confeccionados com titânio e são completamente inertes. Os materiais que são quimicamente inertes são 100% compatíveis com o organismo. Eles não liberam substâncias que podem provocar algum tipo de rejeição pelo nosso corpo, sendo assim, não representam risco de recusa ao titânio. 

Um problema que pode acontecer é o insucesso, ou seja, a união do osso ao implante pode não ser efetiva. Isso pode ocorrer antes ou após a colocação do dente. Entretanto, esse fato representa um índice muito pequeno — menos de 5% dos casos nos quais é indicada a instalação de implantes. Se existir a possibilidade de recolocá-lo, isso será feito, mas, se não for possível, outra solução será oferecida. 

Os cuidados após o procedimento podem influenciar bastante no resultado da cirurgia. Existem muitos que devem ser seguidos com rigor para que o osso faça uma boa cicatrização e o paciente consiga receber o implante. Dentre eles destacam-se: repouso; evitar atividades físicas nas primeiras 48 horas; evitar sol; não consumir bebidas alcoólicas; comer comidas pastosas e líquidas nas primeiras 48h; fazer compressas gelo, evitar falar muito; fazer higiene bucal com muito cuidado.  

O enxerto ósseo em implantes dentários ocorre quando o dentista compreende que não existe osso suficiente para suportar o implante. É necessário quando há perda óssea, que pode ser causada por doenças na gengiva, traumas, lesões e dentes ausentes por muito tempo. 

Com localização privilegiada em Goiânia, o CCO é especializado em Implantodontia, Cirurgia Bucomaxilofacial e Reabilitação Oral.

Há 14 anos no mercado de Goiânia, o CCO – Centro de Cirurgia Oral, já atendeu mais de 37 mil pacientes.

Hoje somos referência em cirurgias orais como extração de sisos, dentes inclusos, tracionamento, disjunções cirúrgicas, além de atuar com o tratamento reabilitador oral através de implantes dentais e facetas de porcelana.

Uma boa referência, faz toda diferença!

Agende sua consulta

FAQ – Perguntas Frequentes

Os enxertos podem ser de um doador humano, do próprio paciente, de origem animal ou sintético, que é chamado de substituo ósseo. 

Para resolver ou melhorar o problema dos dentes escurecidos, o cirurgião-dentista faz uso de um gel clareador. Esse gel tem a propriedade de penetrar nos poros dos dentes, combatendo esses pigmentos que ficam retidos ou impregnados. 

Esses são removidos do tecido ósseo do próprio paciente. A cirurgia é feita com anestesia local no próprio consultório odontológico e, caso o procedimento seja mais avançado, ele precisa ser feito em um ambiente hospitalar, com anestesia geral. O enxerto pode ser extraído do osso ilíaco, da calota craniana ou de algumas regiões da mandíbula, em um local posterior ao siso, chamado de ramo da mandíbula. Essa região tem quantidade óssea suficiente para a maioria dos casos. 

É possível afirmar que o osso autógeno é considerado como “padrão ouro”, e seus resultados são excelentes. Ele não apresenta chances de rejeição, é gratuito e tem forte potencial de formação de um novo osso em razão de o material ser genético. 

Esses enxertos são doados de cadáveres humanos e grande parte da proteína óssea, que provoca a formação do osso, é destruída durante o seu processamento, e o enxerto perde um pouco do seu potencial de neoformação óssea. Ele funciona como um andaime, uma estrutura que auxilia no direcionamento da formação óssea. Antes de o paciente receber esse tipo de material, é necessário efetuar alguns procedimentos prévios, como testes para saber se o doador apresenta alguma doença contagiosa. 

São enxertos vindos de outras espécies, de origem animal, e a mais comum é a de origem bovina. É misturado ao tecido ósseo autógeno, coletado ou utilizado isoladamente em situações em que há necessidade de preenchimentos de cavidades. Ele promove uma maior integração e substituição por um osso novo, permitindo uma reabilitação com implantes na região enxertada. 

Olá! Agende sua consulta!